2005/05/07

De: Helder Sousa - "Ainda o Aleixo" 

A questão dos Bairros Sociais e do Bairro do Aleixo em particular, vai muito além da disposição dos edifícios, dos jardins e das infra-estruturas existentes. Mesmo que tudo isto seja parte considerável do problema a ter em conta.

A pobreza é um estado que não se altera com casas novas. A pobreza limita os movimentos, aumenta as distâncias entre as pessoas e torna tudo mais difícil.

A pobreza – e pobreza não é só uma condição económica, é falta de qualidade de vida, desemprego, ignorância, falta informação, exclusão – leva à sobrevivência. Ninguém rouba porque gosta de roubar; o pequeno traficante que corre à frente da torre 1 do Aleixo não trafica droga por prazer, o lucro que tem com isso serve apenas para cortar a ressaca; nenhum toxicodependente gosta de o ser.

A pobreza é pois o maior factor de exclusão destas pessoas. Inserindo-as noutras comunidades, noutros locais, construindo outros bairros com espaços mais humanos, mais dinâmicos e habitáveis, não vai transformar a condição social das pessoas.

A qualidade de vida das populações passa fundamentalmente pelo acesso à educação, pela informação, por políticas honestas de combate e prevenção da toxicodependência, pelo apoio social e pelo acesso a cuidados de saúde de qualidade.

Caso contrário as pessoas vão continuar a existir nas mesmas circunstâncias. Vão continuar a precisar de doses diárias de heroína, vão continuar a precisar de dinheiro para comprar salbutamol para a asma, vão continuar a precisar de entrar no mini-preço e roubar alguma coisa, vão continuar a estacionar carros, vão continuar a não ter dinheiro para a necessária roupa nova que pode fazer com que arranjem um emprego a limpar escadas no nosso prédio, vão continuar sem perceber porque é que uma casa num Bairro diferente é melhor do que a que têm no Aleixo!

E como nada disto se resolve em meia dúzia de anos, talvez seja melhor até lá demolir uns quantos bairros e realojar decentemente as pessoas. Ainda é mais fácil, mais rápido e mais barato construir casas do que mudar um país!

Um abraço,
Hélder Sousa
No Bairro do Aleixo

De: TAF - "Sábado na imprensa" 

- Rui Rio será candidato
- Assis opõe-se à decisão de Correia de Campos sobre o processo do CMIN
- Assis acha que ministro deve cumprir protocolo sobre bairro Parceria...
- ... e desafia Rio a optar pela saída do túnel de Ceuta junto ao "Santo António"
- Francisco Assis já fez a primeira promessa eleitoral: túnel com saída no Carregal - Já aqui escrevi que nas actuais circunstâncias me parece a melhor solução.

- Milhares na «Dolce Vita»
- Centro Comercial Dolce Vita abriu de forma discreta
- Bertrand inaugura novo conceito de livraria no Dolce Vita do Porto
- Desfile de carros eléctricos hoje na marginal
- Ligação área aproxima comunidade portuguesa em Clermont-Ferrand do Porto

- As Casas de Oitocentos em análise nos Serões da Bonjóia - Já por duas ou três vezes me inscrevi na mailing list que é anunciada em http://www.bonjoia.org mas continuo sem receber nada... Falta algures um pequeno choque tecnológico. ;-)

- Mudar a Asprela até 2009 - Volta-se a falar de um "Parque de Ciência e Tecnologia" na Asprela e eu volto a lembrar que é conveniente coordenar-se trabalho com a SRU por causa do projectado "Parque da Inovação". Só falta que agora venham inventar mais um parque tecnológico "multipolar", que no Norte costuma ser a maneira supostamente diplomática de cada paróquia ter o seu parquezito.

- Escrevi há dias sobre o Centro Hospitalar de Gaia, que tem dois pólos, um no centro da cidade e o principal no Monte da Virgem. Pode-se agora no Dias com Árvores ver algo do que eu referi quanto a este último local.

- A Baixa em papel

2005/05/06

De: Pedro Burmester - "Questões sociais" 

Cara Cristina Santos,

Mais uma vez venho comentar as suas afirmações sobre questões sociais. Você não é capaz de entender onde está o seu erro de raciocínio. O mundo não pode ser dividido em mais fortes e mais fracos, nós e eles. Para si há um sistema vigente, que está correcto, e quem não quiser que viva à parte mas não incomode muito os outros. São uma espécie de animais selvagens. É precisamente essa a postura da CMP em relação a estas e outras questões. Nós (CMP e afins) estamos certos e não admitimos estar errados. No mundo haverá sempre excluídos e não há nada a fazer. Resta praticar a caridade “cristã” para ganhar um lugar no céu. Valha-nos Deus!

Tenham muito medo do futuro baseado nestas premissas porque somos “nós” que estamos a dar cabo do mundo e não “eles”.

Pedro Burmester

De: Cristina Santos - "A vida em qualquer edifício" 

Em resposta à afirmação e raciocínio que me atribuem, quero esclarecer que acho que se deve intervir, mas ao mesmo tempo também acho que há pessoas que preferem outros tipos de vida.
As vezes duvido que seja legítimo ordenar as coisas, segundo critérios definidos pelos mais fortes.
Há uma coisa que admiro nos Bairros, a união.
Interrogo-me se será legitimo querer separá-los só porque não obedecem a um sistema, que assegura a vida em sociedade, será que não há pessoas que escolhem viver à parte?
Pessoas que não se interrogam sobre leis, pessoas que não pretendem mais nada do que o ambiente que criaram?

Claro que a liberdades destas pessoas termina onde se inicia a liberdade dos seus semelhantes, por isso nós tentamos intervir e eles reagem defendendo-se, vejam-se as intervenções policiais, a protecção aos moradores etc…

Se repararem, sempre que falo deste assunto termino com esta pergunta, e quanto a mim é legitimo deixar que pessoas adultas optem, quem somos nós para chegar perto e dizer – sei o que é melhor para si – se repararem na maioria das vezes somos nós que nos queixamos e não eles.

Bem, mas isso são questões filosóficas, que não visam mais que questionar se algum dia lhes perguntaram a eles directamente aquilo que pretendiam.
Eu não defendo isso, mas para defender alguma coisa tenho que analisar todas as possibilidades.

Para remate deixo-vos outra questão, em países da Europa a habitação social em bandas de quatro moradias proliferou há anos, o que aconteceu assim em termos gerais é que as famílias que foram colocadas nesses ambientes cresceram.
Os filhos casaram, tiveram outros filhos, e continuaram todos a viver na mesma moradia, o excesso de gente voltou a acontecer, é que isto de moradias em banda já se faz há alguns anos na Europa, com o aumento da concentração voltaram os mesmos problemas e necessidades.

Acresce ainda o problema que a emigração de Leste que invadiu esses países ocupou as zonas degradas dos centros dessas cidades.

Podemos evitar isso em Portugal, poderá acontecer comnosco?

Cristina Santos

De: TAF - "Um pouco mais longe" 

Concordando com o que o Francisco acaba de escrever, eu vou um pouco mais longe mesmo sob o risco de parecer politicamente incorrecto ou "autoritário".

Há aqui várias questões paralelas:
  1. as condições de vida (no sentido mais lato) proporcionadas às pessoas do Aleixo;
  2. a capacidade que cada uma dessas pessoas, individualmente, tem ou não de escolher o seu rumo em inteira liberdade, fora de dependências de químicos, de ambientes castradores, de uma pressão social indutora de conflitos;
  3. as regras gerais de convivência em sociedade que são OBRIGATÓRIAS em qualquer ponto da cidade e para toda a gente.
É claro para mim que é meu dever moral trabalhar para que, quanto aos pontos 1 e 2, toda a gente tenha acesso àquilo que eu próprio tive. Só assim poderão exercer a sua liberdade.

É também claro para mim que é meu dever cívico contribuir para que não haja nenhum ponto do território onde a Lei não tenha força, onde ninguém se sinta seguro, onde a Polícia não entre sem ser em operações especiais, onde as normas mais básicas de civismo não estejam garantidas. E este ponto não depende do acordo ou da vontade dos habitantes do Aleixo: é um DIREITO de cada um de nós.

Posto isto, é evidente que resultados significativos só se conseguem quando há a colaboração activa da esmagadora maioria dos envolvidos, quando as resistências são apenas marginais. A evolução resultará da contribuição dos habitantes do Aleixo, da administração local e central, dos munícipes do Porto que, como nós, querem provocar mudanças, etc., etc.

De: F. Rocha Antunes - "Os edifícios da Vida II" 

Meus Caros,

Vou dedicar o fim-de-semana a propor métodos, regras e objectivos do processo que quis desencadear. Sei que tem de ser aberto, de pessoas para pessoas, e que tem de ser participado. Comecei já a tomar notas sobre todos os posts que entretanto se escreveram sobre o Aleixo. Sobre isso ainda não me queria alongar muito. Até segunda terei o meu trabalho inicial feito e aqui exposto.

Vou agora arriscar uma reflexão sobre o que a Cristina disse, e que já não é a primeira vez que o diz. A troca de post’s anteriores sobre habitação social foi desencadeada pelo mesmo argumento da Cristina.

A cidade é uma mistura de pessoas, com tudo o que isso comporta de diferenças de todo o género. E todos têm de caber nela. Isso nem se discute.

Mas a cidade é também o espaço das regras comuns, que só podem ser resultantes e não pressupostos.

O que se passou nas últimas décadas é que os políticos acharam que resolviam definitivamente alguns problemas criando os Bairros Sociais, e apenas resolveram um, muito imediato e muito importante no momento, o do alojamento. Sem tirar o enorme mérito a quem resolveu esse problema fundamental, criaram-se outros que a prazo, como agora se vê, são complicados.

O pressuposto da Cristina é o de que essa é a vida que as pessoas têm agora e interroga-se se há o direito de alguém como nós pensar sequer em interferir nessa vida. E até certo ponto tem razão. Eu, que fujo de todos os que sabem cheios de certezas o que é bom para os outros em vez de ouvirem os ditos outros, não deixo nunca de pensar nisso. Mas acho que estamos num caso de fronteira e que isso implica, como cidadãos, que não fujamos comodamente da zona de fronteira para um qualquer território mais sossegado.

Tenhamos presente que o erro de base do problema começou como a falta de consideração que é a preocupação da Cristina: alguém resolveu um problema real da época e aos beneficiários dessa resolução restava agradecer tamanho esforço.

Mas também é preciso percebermos que foi em nome da comunidade que alguém o fez, não tenhamos dúvidas sobre isso. Nem sobre a nobreza das intenções de quem o fez. E é aqui que nós podemos entrar outra vez. Em nome da comunidade que todos somos apresentar métodos e soluções para um problema que não é apenas individual, que tem consequências na restante comunidade, que devemos trabalhar. Criando novas formas de abordar o problema, trabalhando em rede para diagnosticar a situação existente e os caminhos de solução possível. Com humildade mas com perseverança. Libertos dos constrangimentos de quem teve que decidir na altura, e com todas as ferramentas, experiências e possibilidades económicas que hoje existem.

Por isso, Cristina, acho que podemos fazer o nosso trabalho não por acharmos que temos o direito de interferir na vida das pessoas mas para criar uma coisa que elas sozinhas não são capazes: opções para saírem do círculo vicioso em que foram metidas. Se no fim do nosso trabalho os actuais habitantes acharem que preferem o que têm, eu pela minha parte não tenciono propor nada contra a respectiva vontade. Agora, não tenho dúvidas que se as pessoas podem escolher coisas melhores, escolhem. Veremos se somos capazes de criar essas coisas melhores ou não. É esse o tamanho do desafio.

Francisco Rocha Antunes
Promotor imobiliário

De: TAF - "+ Aleixo" 

Escreveu há pouco a Cristina: "há que perguntar se esta comunidade não tem direito de optar por uma vida confinada a um círculo fechado" - A minha resposta: NÃO! Mas isso é tema para outro post, quando tiver tempo.

Parece-me que os diagnósticos estão mais do que feitos quanto ao Aleixo, falta é em conjunto com os habitantes implantar soluções.

A complexidade do problema reside principalmente na capacidade de "gestão social" de um processo de recuperação que nunca será consensual à partida. A dificuldade não é tanto a ausência ou dificuldade de uso das ferramentas que estão à disposição dos decisores para intervenção nestas situações. O complicado é obrigar as várias entidades que devem intervir a agir coordenadamente, é ter a coragem de tomar medidas com que nem todos concordarão.

Nós podemos ajudar a criar um "lobby" que prepare soluções e as "negoceie" com os vários intervenientes. É esse papel que eu vejo para o blog proposto pelo Francisco ontem.

De: Cristina Santos - "Os edifícios da Vida" 

O que urge fazer nos bairros sociais é estabelecer a tal ponte entre o mundo fechado em que eles vivem, para um mundo onde vive a maioria das pessoas.

Para fazer essa ponte há que enumerar em volta de um círculo os pontos negros e estabelecer correspondência da problemática para a resolução. Agir em cadeia de forma circular.
De qualquer das formas esse trabalho compete aos técnicos, que com certeza à data se encontram mais do que conformados com a situação.

O que me parece fundamental, no nosso campo de acção, enquanto comentadores do estado da cidade, é tornar os casos públicos.
Como sabemos, todas as instituições que estão no bairro parecem tão confinadas ao ermo como os residentes, à excepção da Sra. Rosa, poucas vozes se escutam sobre esta problemática, parecem coagidos.

Na minha modesta opinião seria fundamental auxiliar, por exemplo informando do estado decadente de alguns jovens que por lá vão ficando, amputados, doentes, do lixo, dos carros abandonados, das crianças que se passeiam por entre as seringas, do uso dos espaços, das vidas das gentes que de se sentirem tão integradas, vestem e agem como se pertencessem a uma mundo próprio.
Das caixas dos correios e do tóxico corrido pelos moradores que não querem ver sangue nas escadas.
Das brincadeiras das crianças, da perseguição das mesmas aos Toxicodependentes, das ameaças logo à entrada do bairro, da cobertura das gentes e da oposição que fazem à polícia, dos idosos doentes sentados em vãos de escada imundos, de como as pessoas chegam e partem do bairro à hora de almoço ou ao fim do dia.

Do esforço de um jovem que costumamos ver no cruzamento do campo alegre, que não tem uma perna e sobe desalmadamente toda aquela escadaria, dos jovens envelhecidos que dormem em papelões, que comem do lixo, que ameaçam.

Das vidas pomposas, dos ecrãs panorâmicos dentro das habitações, dos cortinados, das rendas, tudo se vende e tudo se compra, dos couros, das motas dos carros, e do degredo de quem por falta de 50 cêntimos para a dose diária é apedrejado e chora, mas ninguém acredita na sua dor, da vida dos mais arrogantes que a ameaçam quem não cede à contribuição.

Dos cães perigosos, das adolescentes com vidas precárias, das casas sem porta ou janela, dos roubos da luz ou da agua, das ilusões perdidas, da venda de prata à venda de seringas e aos pregões tradicionais. Das ameaças aos jornalistas, aos técnicos, aos professores e a quem se intrometer nas suas vidas, das mães desesperadas que aí procuram os seus filhos, dos lesados que ai procuram os seus carros…

Haverá algum dia a coragem de mostrar à Cidade o ambiente onde alguns dos seus filhos vivem, só divulgando e documentando é que alguém pode acreditar, é que alguém pode agir.
Ao momento em França está-se a demolir um bairro, que parece exactamente o Aleixo, também lhe chamam as torres, os moradores estão a ser dispersos, pelas imediações e pelas zonas rurais, esta iniciativa não está a ser bem aceite pelos residentes que assim se sentem muito mais inseguros, muito menos está a ser aceite pelos futuros vizinhos destas familias... E às vezes há que perguntar se esta comunidade não tem direito de optar por uma vida confinada a um círculo fechado, se será esta comunidade obrigada a viver infeliz, mas viver sob as nossas regras.

Isto dava pano para mangas, mas a discussão parece reduzir-se apenas ao edifícios, as associações com mais de 30 anos etc. etc..

Cristina Santos

De: Alexandre Burmester - "Aleixo..." 

Resolver o problema do bairro do Aleixo, no que concerne a espaço físico e urbano, não poderá ser outra solução que não seja a sua demolição.

A criação de cidade com as características dos Bairros Sociais, já o disse aqui mais que uma vez, devia ser proibido. De que adiantará arranjar os espaços comuns, pintar as torres, ou resolver problemas de infiltrações ou outras dos apartamentos. Se fosse isso que está mal no Aleixo, de certeza que quaisquer promessas políticas já o tinham resolvido.

O Bairro do Aleixo, é um gueto de gente com menos capacidades económicas (pobres), que tiveram menos condições de ensino e menos oportunidades e mais azares na vida. Não são por isso menos espertas, menos capazes, menos simpáticas ou menos sensíveis. Tiveram azar, e infelizmente, por apenas lá viverem vão continuar a ter.

Imagine-se por exemplo que fosse possível reabilitar o Bairro, conferindo-lhe outra escala com um aspecto mais humanizado. Eventualmente essa solução passaria obrigatoriamente pela redução de construção, fosse ela a demolição de uma ou mais torres, fosse ainda a diminuição de altura de todas as torres. Se olharmos para o que resta continuamos a perceber que o que resta continua mal. O seu desenho urbano e os seus conceitos permanecerão lá. E este é o seu erro.

Lembro-me que o Bairro surgiu quando da reabilitação da Ribeira/Barredo, e lembro-me que mesmo sem condições estes bairros continham uma vivência e uma humanização que entretanto perderam. Até hoje me questiono sobre a qualidade do trabalho do CRUARB, até que ponto valeu a pena. Esvaziaram o Centro Histórico, e criaram o Aleixo. E às pessoas que permaneceram nas casas restauradas do Centro Histórico, não se lhes deu condições económicas para a sua manutenção, e hoje encontram-se num estado próximo da antiga degradação.

Os conceitos "Sociais" é que estão infelizmente errados quer como conceitos, quer como nas formas que adoptam em "Bairros". Poderemos todos tentar contribuir com soluções, mas que serão sempre paliativos para tentar resolver um problema maior e de difícil resolução.

Certamente que a Rosa do Aleixo, uma Associação de moradores, e entidades públicas ou privadas, ou mesmo "Blogs" de discussão e opinativos, serão sempre bem vindos e alguns problemas certamente ajudarão a resolver. Mas infelizmente a pobreza, a desinserção e as consequentes necessidade sempre conduzirão ao desvio comportamental que produz os Aleixos que proliferam por este País.

Também já aqui o afirmei antes, e repito, a operação da SRU deveria ter uma forte componente social, e aproveitar o seu papel na reabilitação do Centro integrando muitas pessoas que vivem nestes guetos sociais. Mas teria que o fazer de cabeça limpa e sem os preconceitos sociais a que estamos habituados.

E a fórmula é muito simples, basta fazer "com as pessoas" e não "para as pessoas".


Alexandre Burmester, Arqto.

De: Helder Sousa - "O meu Aleixo" 

Caro TAF,

Trocamos há algum tempo algumas mensagens a propósito do meu blog No Bairro do Aleixo.
Desde então tenho acompanhado a evolução da Baixa do Porto, mas nunca me senti tentado a participar. Ou porque não domino suficientemente os assuntos discutidos, ou porque não tenho tempo para argumentar e fundamentar devidamente as minhas opiniões.
No entanto não deixar de lhe escrever algumas considerações sobre este assunto que me está próximo.
  1. O Bairro do Aleixo tem a particularidade de ser o único Bairro social construído em altura na cidade do Porto. Na verdade, o Aleixo é demasiado pequeno para ser considerado um Bairro. São cinco prédios de treze andares numa área concentrada.
  2. Não são as questões sociais que transformam o Aleixo num caso excepcional no contexto português: é a morte da Vanessa.
  3. O tráfico de droga é outro dos factores 'especiais' do bairro.
  4. Não se resolvem problemas destes com declarações e intenções estruturais sobre a construção de bairros sociais.
  5. O que existe no Aleixo existirá onde quer que se coloquem as pessoas que cá vivem. Os problemas manter-se-ão a menos que se combata a causa deles. E será impossível eliminar o tráfico e consumo de droga sem políticas honestas sobre a matéria. E isso seria assunto para outro blog/publicação/objecto de trabalho.
  6. É do conhecimento geral que o programna Porto Feliz tentou resolver este problema: não conseguiu porque foi pensado por pessoas que nunca visitaram o Aleixo ou outros Bairros idênticos.
  7. As pessoas não se iliminam (nem iluminam) com a mudança de instalações.
  8. As visitas in loco de câmara de filmar ou de fotografar não mostram a vida das pessoas: ou serão roubadas ou mostrarão aquilo que deixarem ver.
  9. Trata-se de pessoas, pessoas, pessoas. E não de prédios, jardins ou infraestruturas.
  10. Repito o número anterior.
  11. A maior parte dos problemas do Aleixo não são a falta de condições dos residentes, é o tráfico de droga e as acções associadas.
  12. A Vanessa morreu e isso nada teve a ver com o Aleixo ou com um Bairro social.
(não precisa de publicar isto, é um desabafo depois de ler os jornais do dia e os textos de hoje da Baixa do Porto)

E já agora: o nobairrodoaleixo.blogspot.com é pura ficção e, lamentavelmente, foi superado pela realidade. Mas teve honras de primeira página em todos os jornais! (não vejo televisão!)

Um abraço,
Hélder Sousa

De: Frederico Torre - "Bairro do Aleixo e não só..." 

Caro TAF:
Sou um leitor deste blog desde os tempos da discussão relativa ao Metro da Boavista (sou morador no Pinheiro Manso) e tenho de lhe dar os parabéns pelo excelente veiculo de informação e comunicação que se está a tornar.
Não posso deixar contudo de fazer um reparo aqueles que aqui apresentam ideias, reparo esse que espero que seja visto de uma forma construtiva e que é em parte a razão por só agora participar activamente no blog. Tenho vindo a verificar uma tendência para cada vez mais cada um apresentar as suas ideias como factos consumados em vez de opiniões abertas a discussão. É minha opinião que não devemos partir para uma troca de ideias com a decisão final tomada, pois muito provavelmente não estamos a ter em conta todos os factores e pode mesmo acontecer que alguns dos que não tivemos em conta sejam suficientemente fortes para nos fazer mudar de opinião. Como diz o ditado, só não muda de opinião o mais Sábio e o mais Burro.

Passemos então ao caso do Bairro do Aleixo. Este é para mim um dos problemas mais sérios do Porto. As condições desumanas em que ali se "vive" são chocantes. Podem por isso contar com o meu apoio para ajudar a despertar consciências sobre este problema e a trabalhar numa possível solução. É minha opinião que o único caminho possível é a demolição das torres, de modo a acabar com a cultura de crime ali existente, e a dispersão de uma parte daquelas pessoas por outras zonas da cidade. Acredito que o valor imobiliário daqueles terrenos seja suficiente para financiar uma operação dessa natureza.
A parte difícil está naturalmente em como fazer essa dispersão.
Concordo com o TAF na ideia de criar um maior convívio entre classes sociais, mas acho que esse processo deve ser feito de uma forma muito gradual. Só o tempo altera os hábitos. A CMP não pode simplesmente comprar andares em zonas de classe média-alta e pôr as pessoas a vier lá. A inserção social é muito mais difícil que isso. É preciso que as pessoas se aceitem mutuamente.
Para conseguir essa aceitação, acho que o plano deveria ir muito além da simples habitação. Imagino um processo em três fases:

1ª Fase:
- Estudo das famílias existentes no Aleixo, desde o numero de pessoas, a capacidades profissionais, estabilidade familiar, etc...
- Estudo das necessidades em termos de emprego das zonas para onde se pretende deslocar essas familias. Acho que o processo de reinserção seria sem duvida mais fácil se essas famílias tivessem a possibilidade de trabalhar perto do sitio em que vivem, evitando deslocações.
- Fazer o "matching" entre oferta e procura.

2ª Fase:
- Estudo caso a caso. Análise das competências que essas famílias devem ter para se tornarem um elemento válido da comunidade local e estudo de como podem ser criadas essas competências, seja através do ensino de certas aptidões profissionais que eram procuradas nessa zona, seja através de apoios a empresas locais (a mercearia, o quiosque, etc.) compensando-os pela despesa tida na formação do novo empregado.

3ª Fase:
-Inicio do Projecto em si. Acompanhamento da evolução da situação junto da entidade empregadora bem como da população que conviva com a família, desde os clientes até aos vizinhos.
-Adaptações de ultima hora.

Para um projecto destes seria preciso trazer não só a CMP, mas também as Freguesias e sociedade civil...
O objectivo seria o de, com o tempo, essas famílias tornarem-se elementos da comunidade produtivos e cada vez mais capazes de devolver à sociedade aquilo que a sociedade investiu neles.
Um projecto desta envergadura não é obviamente fácil. O investimento inicial é talvez muito grande. Mas a partir do momento em que estas pessoas se tornarem produtivas e pagadoras de impostos, acabaram por diluir os custos. E melhora claramente a vida da cidade.
No final, a ideia é: Não lhe dês peixe, ensina-o a pescar...

Tenho de pedir desculpa pela descrição e linguagem algo económica e sei que alguns talvez a achem desadequada quando se fala da vida de pessoas, mas acho que ela torna a compreensão do projecto mais fácil.

Estou obviamente aberto a ideias e criticas, bem como a discutir melhor este projecto com quem o desejar.
A ideia surgiu durante a escrita do mail, sendo por isso ainda algo tosca e confusa, tendo por isso de lhe dar algum desconto

Frederico Torre
[email protected]

De: TAF - "Imprensa de sexta" 

- CMIN: Dúvidas jurídicas levam a auditoria
- Bairro Parceria e Antunes no Tribunal de Contas
- Sentido de Estado - opinião de Rui Sá sobre o CMIN
- Ministro duvida da legalidade de protocolo sobre bairro Parceria

- Cidade fica sem água durante a noite de hoje
- Clube Literário do Porto inaugura hoje

- Gaia: PDM propõe nova ponte no Douro até Gondomar
- PDM de Gaia: Nova ponte entre Gaia e Gondomar
- PDM de Gaia prevê a construção de mais uma ponte sobre o Douro
Gondomar já sabe disso? ;-)

- Lisboa: Criado gabinete para investidores - Por que é que eu fico sempre com a sensação de que em Lisboa as coisas são tratadas com mais profissionalismo?

- Um túnel sem luz ao fundo - opinião de Rogério Gomes
"O caso passou, assim, para o nível da irracionalidade. Só espero que moradores e comerciantes, quando conseguirem parar para pensar (sozinhos e sem incentivos externos) acabem por recorrer aos tribunais e pedirem o ressarcir dos danos sofridos, eles que são os primeiros prejudicados. Aliás, o que não percebo é porque ainda não o fizeram, porque é que a sua indignação ainda não está vertida numa acção cível contra os responsáveis pelo inaceitável atraso de uma obra que foi prometida estar terminada este mês...
Será porque esta acção, afinal, só seria possível contra o dono da obra?"


2005/05/05

De: TAF - "Bairros anti-sociais" 

Na minha modesta opinião os "bairros sociais" não fazem sentido nenhum nos dias de hoje e na situação actual da nossa cidade. Há várias razões que me levam a essa conclusão, das quais saliento as seguintes.
  1. O "armazenamento" de um número elevado de pessoas com recursos financeiros reduzidos num único local, de algum modo segregadas do resto da sociedade, é em si mesmo inaceitável do ponto de vista ético.


  2. É, além disso, gerador de conflitos e amplifica as desigualdades sociais.


  3. Do ponto de vista urbanístico, é importante repovoar o centro espalhando gente pelas habitações que agora estão devolutas, e não retirar as pessoas para outros locais.


  4. Corrijam-me se estou em erro, mas eu diria que actualmente o custo de construção por m2 de habitação social ou de habitação média alta, com a eventual excepção de alguns acabamentos, é igual. O que acontece é que na habitação social as áreas dos fogos são menores e por isso os custos diminuem por família, mas as características técnicas são semelhantes. Com os modernos métodos de construção nada impede que no mesmo edifício coexistam T4s de 150m2 e T4s de 300m2, por exemplo, cada um com acabamentos à medida dos interesses e da bolsa dos respectivos proprietários.
Assim, defendo que pura e simplesmente se acabe com os bairros sociais que funcionarem mal. Há alguns que funcionam bem e, de algum modo, até já deixaram de ser "bairros sociais" por isso mesmo. No caso concreto do Aleixo, só vejo duas soluções:
Saliento que a "população problemática" não é nem de perto nem de longe toda a gente que vive no bairro actualmente. É a minoria que de facto está marginal em relação a um convívio social saudável. É preciso "misturar" as pessoas do Aleixo com o resto da cidade, e vice-versa. O Aleixo tem que deixar de ser um território à parte.

Chamo a atenção para alguns comentários que aqui foram publicados anteriormente sobre temas relacionados:

2005/02/28 - De: Alexandre Burmester - "Princípios de Cidade"
2005/02/28 - De: F. Rocha Antunes - "Habitação para todos"
2005/03/01 - De: Cristina Santos - "Regras de uso"
2005/03/01 - De: TAF - "Bairros sociais"
2005/03/02 - De: Alexandre Burmester - "Bairros Sociais"

e muitos outros também interessantes.

De: Luís Bonifácio - "Bairro do Aleixo" 

Conheço o bairro do Aleixo, há mais de 30 anos quando criança, acompanhava a minha mãe (Médica da Caixa) nas suas consultas ao domicílio. Já nessa altura eram bairros extremamente problemáticos.
Sinceramente não acho que a solução passe por obras. Nos Estados Unidos construiram-se muitos "bairros do Aleixo", penso que o modelo que presidiu ao Bairro do Aleixo, veio de lá. Quase todos estes bairros foram entretanto demolidos, pois verificou-se que o modelo adoptado potenciava a criminalidade e a exclusão.

Penso que a solução do Aleixo passará pela mesma solução, alojando as pessoas em Bairros sociais mais humanos, e com prédios menos altos. Não sei se no entanto haverá dinheiro para isso.

Uma coisa espero, não se ponham a inventar de novo a roda, ela já está inventada há muito.

Cumprimentos
Luís Bonifácio
[email protected]

De: Cristina Santos - "In loco" 

Caros amigos

Isto exige mais que o trabalho de gabinete.
As eventuais visitas ao local, o porte e uso de câmara deve ser bem pensado e previsto sem utopias, com a noção correcta da realidade.
Fiz um trabalho de levantamento do ambiente exterior há alguns anos no Bairro São João de Deus, nunca tive problemas de agressão, excluindo uma ou outra situação com umas senhoras de etnia cigana, mas já nessa altura era bastante mais difícil e perigoso aceder ao Bairro do Aleixo.

O que é importante no momento é reunir meios, da minha parte disponibilizo-me para visitar o bairro, fotografar, observar, e tentar ajudar numa recolha da situação social vivida: numero de frequentadores, de residentes, de jovens acampados, do tipo de comércio, crianças em idade escolar, ocupação das crianças, idosos, etc...

Contudo esta minha disponibilidade depende da eventual disponibilidade de uma ou duas pessoas resistentes, que me possam acompanhar, a partir dai poderei contactar algumas das associações no sentido de nos encaminharem nas primeiras visitas.

De qualquer forma o meu interesse inicial visa apenas denunciar a situação social, que a grande maioria desconhece.

Cristina Santos

PS: a Sr.a Rosa Soares que participou algumas vezes no Blog, não tinha ligações com algumas associações de lá?
--
Nota de TAF: Cristina, julgo que esse levantamento já terá sido feito e que estará disponível através do contacto com as entidades que trabalham no bairro. Por isso, mais do que as visitas, aquilo em que provavelmente poderemos ser mais úteis é a ajudar a ultrapassar bloqueios e a arquitectar soluções usando a nossa rede de contactos e a visibilidade que conseguimos. É um trabalho de rigor e persistência. Julgo que o nosso objectivo não pode ser o de dar apoio social, mas sim de criar as condições para que ele passe a existir por acção das organizações vocacionadas para o prestar.

De: Lino Cabral - "Contem comigo" 

Amigos da Baixa

Estou disponível para colaborar convosco. Faço-o há algum tempo com a Porto Feliz a título meramente voluntário, e também com a Fundação AMI, delegação Norte. Tenho consciência da complexidade do assunto em questão. Contem comigo.

Lino Cabral

De: TAF - "A proposta do Francisco" 

Organizemo-nos, então.

1) Eu ofereço-me para neste fim de semana tratar dos aspectos técnicos da criação do "blog de acção" proposto pelo Francisco. Posso dar-lhe um nome do tipo "aleixo.taf.net", "aleixo.etc.pt", ou outro qualquer que se escolha num dos meus domínios na Internet (está sempre a tempo de se mudar quando se quiser). Estou agora a lembrar-me: até pode ser "aleixo.portovivo.net", porque a SRU tinha-me pedido para registar o "portovivo.net" e depois mudou de ideias, abandonando-o...

2) A gestão da publicação no blog (o trabalho que eu faço n'A Baixa do Porto) pode depois ser entregue a quem ficar com essa missão de editor.

3) É fundamental coordenação de trabalho com as pessoas do Bairro do Aleixo através das associações que lá existem, e também com a autarquia. Alguém se oferece para estabelecer esses contactos iniciais, com o objectivo de obter uma "rede social de intervenção"?

De: F. Rocha Antunes - "Uma carga de trabalhos mas..." 

Meus Caros,

Há muito anos que me interrogo sobre que destino dar ao Bairro do Aleixo. Acho que nenhum cidadão se sente confortável a conviver com uma situação daquelas, para falar especificamente nessa. E sempre me questionei como se poderia resolver equilibradamente o problema.

O problema começa por não haver quem ache que o pode resolver. Pudera! Estamos perante a cristalização de uma série de asneiras que tomou aquelas proporções. Sem entrar noutros considerandos, é o exemplo acabado de como atirar dinheiro para cima dos problemas não os resolve.

Uma das formas de resolver um grande problema é começar por dividi-lo em problemas mais pequenos que, se divididos de acordo com uma visão geral, sejam transformados em passos para a sua resolução final. É uma questão de recursos e energias. Se não se fraccionar o problema grande em problemas mais pequenos articulados sequencialmente, não se vai conseguir mobilizar as energias nem os recursos necessários para se começar a resolver nada.

O mais importante, para se começar, é fazer o trabalho de enunciar correctamente o problema e propor um caminho de resolução por etapas. Encontrar pessoas que possam dar algum do seu tempo à comunidade desta maneira é o primeiro desafio. Basta que haja um número de pessoas suficientes para se conseguir articular o que se tem de fazer nesta etapa inicial e conseguir colocar o problema na agenda autárquica.

A minha ideia é simples: fazer um blogue específico sobre o assunto e haver a capacidade de congregar horas de trabalho em rede que permitam elaborar um enunciado do problema e as vias possíveis de solução.

Eu ofereço-me para coordenar ou ser coordenado, e dar algumas horas por mês da minha capacidade de trabalho e da minha experiência para esta primeira fase. Tiago, alinha criando um blogue específico? Será que conseguimos passar das palavras ao trabalho? Ou somos todos diletantes da blogosfera?

Francisco Rocha Antunes
Promotor imobiliário
--
Nota de TAF: A primeira coisa a fazer é entrar no espírito do bairro. Por isso eu diria então como resposta ao desafio do Francisco: "Bute!" :-)

De: Lino Cabral - "Sibelius Hall" 

Como é que os nossos amigos finlandeses conseguiram fazer uma extraordinária “casa da música”, utilizando a melhor tecnologia disponível no mundo em termos de acústica, em apenas 2 anos a um custo final de 1.700 Euros por metro quadrado?

A história do Sibelius Hall.

Lino Cabral

De: António Moreira - "O Bairro do Aleixo ..." 

"... e a minha filha"

Meus caros

Este assunto está a ser debatido (e ainda bem) em diversos "blogs".
Como tenho pena (lá vou eu ser chato) que não exista um fórum em que, independentemente das opções de cada um, todos pudéssemos debater em conjunto)

Nuns debatem-se os aspectos relacionados com o papel das estruturas do Estado (RSI, Seg. Social, etc.), noutros o papel dos juízes, noutros (como aqui) a problemática urbanística, os bairros sociais, a reinserção……

Mas todos sabemos que o problema é muito mais profundo, (já agora obrigado ao Tiago pelo, tão belo, "blog" que nos indicou ontem), que as causas não são só próximas, que as respostas não são tão simples…..

Transcrevo dois comentários que coloquei no SEDE em resposta a "post" sobre este assunto.
Desculpem mas penso que é, também, sobre isto que nos devemos interrogar nesta altura:

"Como é que NÓS continuamos a poder viver com isto?
Será que não é por aqui que passam os problemas fundamentais desta sociedade, que urge resolver?
Será que a VERDADEIRA fronteira esquerda/direita não passa, principalmente, por aqui?
Como é que militantes de partidos de "esquerda" poderão viver com isto?"

"Mais do que a forma de actuação/prevenção para cada caso isolado, estava-me a referir, fundamentalmente, ao "caldo" que gera e potencia o desenvolver de tantas situações como esta (e são tantas as não noticiadas...).
Esta sociedade que criamos e em que cada vez é mais fundo o tal fosso entre os poucos muito ricos e os, cada vez mais, cada vez mais pobres.
A outra cidade (sociedade) que existe na "nossa" cidade (sociedade), mas que preferimos ignorar, é, cada vez maior.
Vamos continuando a ignorar a sua existência e o seu desenvolvimento, até que um dia...
Não sei.
Confesso que, antes de, recentemente, ser pai, o que se iria passar dentro de 30 ou 50 anos, apenas representava, para mim, algo de especulação filosófica.
Agora é algo que me inquieta profundamente.

Não tenho respostas
Só perguntas :( "


Cumprimentos
António Moreira

De: Cristina Santos - "Bairro do Aleixo II" 

É óbvio Tiago que concordo contigo, aliás, vou juntar à mensagem aquilo que lhe retirei há pouco, com receio de ser um texto demasiado extenso.

Considero que a intervenção no Bairro São João de Deus foi incompleta, na medida em que a Câmara Municipal poderia ter recuperado algum do seu património, com vista a realojar em diversos pontos da cidade os antigos moradores do bairro, ao invés de os transplantar para outros guetos – nomeadamente para o Aleixo.
Essa medida causaria alguns inconvenientes iniciais de integração aos inquilinos, mas a mudança de ambiente favoreceria as gerações futuras, a Câmara daria o exemplo da conservação, evitava-se a concentração de pólos atípicos etc.
Contudo a coragem de intervir é de louvar.
Depreendo que concordas com a reabilitação para apartamentos das torres e nesse caso algumas famílias também poderiam continuar aí, mas em número reduzido claro.
Mas repara Tiago, o bairro do Aleixo acumula muitas famílias numerosas, algumas vindas do São João de Deus, os fogos que pudéssemos recuperar não seriam em número suficiente, nem teriam condições, não poderíamos realojar mais que duas ou três famílias no mesmo prédio, e a fazê-lo nunca o poderíamos fazer ao abrigo da SRU, mas sim ao abrigo de um programa tipo PER.
Os nossos prédios mesmo que recuperados, falo dos nossos prédios típicos, não têm condições para criar habitação em massa, que seja suficiente às necessidades, ou que sejam em numero tão elevado que nos possamos permitir a essas hipotecas.

Para além de que o ambiente familiar que se vive em algumas Freguesias dos concelhos vizinhos é de longe o mais favorável à integração de famílias descaracterizadas, que o são, temos que encarar a realidade da vivência num gueto e os hábitos sociais que eles criam nas pessoas que os habitam.
Os concelhos vizinhos tem a capacidade que o Porto teve há 30 anos atrás, e podem fazer esse acolhimento com sucesso, evitando os nossos erros e contribuindo para uma área metropolitana mais activa e coordenada.
Para além de que não estamos a falar do fim do mundo, mas sim de concelhos vizinhos.

Cristina Santos

De: Miguel Barbot - "Bairro do Aleixo" 

Não estou a ver como se conseguiria transformar as torres do Aleixo em complexos de apartamentos de luxo... Alguém me pode explicar?

Parece-me que um apartamento de luxo tem mais do que acabamentos de qualidade e não estou a ver grande qualidade estrutural nos edifícios. O valor patrimonial é também reduzido pelo que não se justifica a recuperação, mas sim a demolição e construção de raiz.

Agora, será que é positivo criar mais uma vista de luxo para os ricos em prejuízo de todas as pessoas de bem que lá moram e só não gostam do Aleixo devido à insegurança? Seria importante criar mecanismos que permitissem a rabilitação social do bairro, até porque este não tem uma dimensão considerável para que se considere inacessível e para que os focos de problemas não sejam rapidamente identificados. É como tudo em Portugal: uma questão de não ter medo de lá estar e fazer valer a lei.

De: Cristina Santos - "Bairro do Aleixo" 

O caso do Aleixo é quanto a mim de resolução difícil. Em primeiro lugar as torres, apesar de inacabadas, têm estruturas de qualidade, as áreas dos apartamentos e a implantação do Bairro em si tem um valor considerável, pelo que a sua demolição seria um custo quase irrecuperável.
Dotar a área actual com infra-estruturas sociais dissuasivas da criminalidade, de momento não é possível, não seriam respeitadas, nem teriam qualquer efeito dissuasor.

A solução poderia passar por transformar as torres em apartamentos de qualidade, para venda, nesse caso gerávamos dividendos que permitiam os realojamentos de todas aquelas famílias.
Como na nossa cidade não há espaço que permita construir pequenas moradias com logradouro ou condições favoráveis à reintegração destas famílias e existindo tanto espaço verde disponível na área metropolitana, com os dividendos gerados poderiam ser criados acordos intermunicipais justos, que possibilitassem integrar os moradores em áreas de configuração quase rural, noutros concelhos.

Esta solução não levantava questões de afastamento, pois os concelhos vizinhos estão desenvolvidos e em breve dotados de uma rede de transportes que anula as distância ou as exclusões.
O realojamento para a transformação das torres era também resolvido, com a construção prévia dessas moradias, nas áreas seleccionadas.

É certo que levantávamos a questão das classes sociais, da injustiça, teríamos ainda que contar com a conivência dos concelhos vizinhos, mas todos lucramos com esta solução, o problema dos guetos, não é um problema local, mas sim nacional e regional, pelo todos tem o dever de colaborar nas soluções, inclusive o governo Central.

Cristina Santos
--
Nota de TAF: o problema da exclusão social é em parte resolvido pela integração das famílias problemáticas em habitação normal, no meio do resto da população. A reabilitação da Baixa, por exemplo, permitirá criar condições para que sejam reservadas algumas das habitações recuperadas para realojamento de pessoas vindas de bairros sociais como estes. A esmagadora maioria dos habitantes de bairros como o Aleixo é "gente normal", pacífica e civilizada. Podem existir alguns problemas devido às "más companhias", que se ultrapassam pelo simples afastamento do local que os originou.

De: Pedro Aroso - "O primeiro auditório do século" 

Há dias foi citado, neste blog, um artigo sobre a Casa da Música, com o título "Monstro de concreto (betão)" de Koolhaas "cai" sobre o Porto", publicado no Financial Times e traduzido para português na Folha de São Paulo.
Por ser tão disparatado, nem me dei ao trabalho de o comentar. Em vez disso, recomendo a leitura do texto escrito pelo JORDI JOAN BAÑOS, sobre este mesmo tema.

Pedro Aroso

De: Cristina Santos - "Lixo mais colorido" 

Quanto ao assunto de ontem relativo à instalação de contentores em algumas ruas da Cidade, permitia-me a fazer uma sugestão à Câmara Municipal.

Sendo os contentores tradicionais uma aberração acrílica, não seria possível criar uma espécie de compartimentos fixos, onde os mesmos pudessem ser instalados?
Por exemplo um escaparate em chapa lacada ou outro material barato e fácil de substituir em caso de necessidade, com acesso rampeado para facilitar o trabalho dos serviços e totalmente decorado com vinil com o logótipo da câmara, ou outras imagens, ou seja tentar enquadrá-los, como se de mobiliário urbano se tratasse.

O embelezamento dos contentores do lixo daria uma imagem mais agradável à cidade e tornaria esses locais mais respeitáveis.

PS: Em relação aos contentores existentes em frente a prédios de grande concentração, espera-se dos munícipes em geral que quando se depararem com o contentor lotado tenham o bom senso de se dirigirem ao contentor mais próximo, que fica à distância de escassos metros, espera-se…

Cristina Santos

De: TAF - "Aleixo" 


Hoje O Comércio do Porto traz o Bairro do Aleixo em grande destaque. Pelas piores razões somos agora obrigados a lembrar-nos dele. Tal como S. João de Deus, é uma cidade diferente daquela em que a maioria de nós vive.

- A vida do outro lado do Porto
- Viver e morrer... "No bairro do Aleixo"
- Três anos de promessas e requalificação por cumprir

Escrevi isto no Natal passado, a propósito deste bairro:

«Nestes dias de febre natalícia convém não perdermos a perspectiva das realidades que nos cercam, da riqueza que possuímos mesmo quando nos queixamos do que a vida nos oferece, e da obrigação de gerir bem aquilo por que somos responsáveis. Isto parece óbvio mas a prática mostra que não é. Ou pelo menos prova que os princípios ficam "convenientemente amolecidos" quando perdemos o contacto com aquilo que queremos esquecer.»

Em 18 de Janeiro último, escrevia a imprensa:"Começam este mês as obras de recuperação no Aleixo". Pois sim... :-(

De: TAF - "Notícias e notícias" 

- Virá aí finalmente o Centro Materno Infantil? - opinião de Paulo Mendo que vale a pena ler

- Antas: É inaugurado amanhã o Dolce Vita
- Cores do novo centro agitam inauguração

- Dez projectos mobilizadores da JSD
- JSD critica política cultural da cidade na última década
- Concelhia da JSD/Porto critica política cultural de Rui Rio

- Câmara considera ilegal embargo do túnel de Ceuta
- Câmara contestou judicialmente embargo "ilegal" do túnel de Ceuta

- Vandoma desagrada à junta da Vitória
- Sindicato contra os horários das lojas
- Ironias oitocentistas
- IGAC prevê licenciamento definitivo da Casa da Música no próximo mês
- Linha de metro até ao centro da Maia só estará pronta em meados de Junho

- Agora é a vez do Abrupto entrar em "grandiosas comemorações" :-) Parabéns pelos 2 anos que faz amanhã!

PS: Que lapso! Tinha-me esquecido do apontador para a nossa página de papel...

De: TAF - "Como é?!" 

- Túnel de Ceuta: a posição da Câmara.

Vem hoje no Janeiro:
«Se o tribunal achar que o embargo está bem, aquilo [as obras do túnel] fica naquele pandemónio que está”, advertiu, admitindo que, assim, não restará à autarquia outra alternativa além de esperar “três, quatro ou cinco anos” pelo resultado judicial.»

Vejamos se eu percebi: Rui Rio está a dizer que nesse caso prefere ter esta obra parada vários anos a optar por outra solução que o IPPAR eventualmente aceite, como por exemplo o projecto original com saída em frente à morgue?! Ou foi o jornal que interpretou mal? Ou foi um deslize de mau génio, para não ser levado a sério?

Se o embargo se mantiver, convém esclarecer devidamente isto antes das autárquicas, por favor.

2005/05/04

De: Cristina Santos - "Porto mais limpo" 

A Câmara Municipal do Porto através do pelouro do Ambiente e da Reforma Administrativa, encontra-se a instalar vários contentores nas ruas de Cedofeita, onde até à data a recolha de resíduos era feita de porta a porta. A acção visa acabar com a recolha de «lixos» personalizada e uma cidade mais limpa.

Após a instalação dos contentores e feitos os devidos avisos através de panfletos fixados nos prédios ou deixados nas caixas do correio, os moradores dessas áreas ficam «proibidos» de depositar os resíduos nas entradas, como era habitual, devendo passar a utilizar os contentores.

A eficácia desta acção é garantida por funcionários da Autarquia que, para além de promoverem a acção, visitam pessoalmente os moradores em falta, alertando para a necessidade de manter a cidade limpa.

Porque boas acções merecem divulgação.

Colabore com os serviços municipais...
Para um Porto mais limpo e acolhedor.
Linha informativa – 800 205 744


Cristina Santos

De: F. Rocha Antunes - "Há tempos para tudo" 

Meus Caros,

Já escrevi antes sobre a necessidade de se perceber que em todos os processos há tempos para tudo. Nós temos, presumo que por influência genética, uma forte tendência para o improviso e um horror quase patológico a métodos.

Achamos sempre que os assuntos são relevantes quando nos lembramos deles, com a nossa agenda muito própria, e consideramos irrelevante a existência de tempos próprios de cada processo. Daí tantos desencontros e tantas opiniões a destempo. Há quem diga que não há nada a fazer, que o mal é generalizado, e que temos que criar um modo próprio de lidar com os assuntos. Há até quem considere que isso é uma prova da especificidade cultural portuguesa que, num contexto globalizante, deveríamos preservar como parte fundamental do nosso património colectivo.

Estes tempos próprios de cada processo são a única maneira de lidar com os assuntos colectivos, porque de outra forma não se consegue nunca compatibilizar as agendas dos muitos interessados que a gestão desses assuntos implica.

Estou completamente de acordo com Assunção Costa Lima, com aliás já tinha dito no meu post sobre o dilema do prisioneiro. É preciso que agora se crie um espaço para encontrar a solução, e não um novo desfiar de argumentos que já todos conhecemos, especialmente aqueles que não andam aqui ao sabor das agendas partidárias.

Também partilho da opinião do Tiago, de que não é possível, por alegadas dificuldades técnicas, não existir a informação necessária da forma adequada à discussão pública do Plano Estratégico de Reabilitação da Baixa. Não se consegue que uma discussão pública exista sem disponibilizar os meios de participação adequados. Se o objectivo da SRU é que haja discussão, então tem de perceber o que é preciso para que a discussão exista. Ou então assumam que não a querem. Não se entende que uma sociedade que tem como accionista a CMP não o consiga fazer, se a própria CMP o soube fazer tão bem na primeira discussão do PDM. Não é decerto por ser mais complicado…. A discussão pública só deve começar quando os meios de participação estiverem disponibilizados. Por um prazo que seja claro desde o primeiro dia, e com metodologias de análise e resposta às críticas e sugestões claramente assumidas. Foi o que faltou na discussão que já referi.

Se a SRU não perceber que uma discussão pública implica fazer o que foi feito nessa altura pela CMP, com os melhoramentos que atrás sugeri, então nunca mais vai poder beneficiar das contribuições que poderia ter para melhorar a Proposta de Masterplan na sua máxima amplitude, nem nunca mais se vai conseguir livrar de não ter tido a capacidade de ouvir abertamente quem se interessa por este assunto, para alguns tão importante. E terão de passar o resto do tempo a ouvir sugestões que em vez de terem sido formuladas em tempo o serão a destempo. E nunca mais consolidam, como seria importante que o fizessem, a passagem da Proposta a Versão definitiva. É que não basta deixar acabar o prazo de discussão pública para que isso aconteça…

Francisco Rocha Antunes
Promotor imobiliário

De: TAF - "Atrasos e responsabilidades" 

Eu não gosto de dizer mal nem de protestar sem conhecer em pormenor as situações sobre as quais me debruço. Por isso nesta apenas pergunto o que se passa:
Sport Club do Porto acusa Câmara de atrasar projectos da instituição

"a Câmara Municipal do Porto (...) tem sido um autêntico empecilho"

"Estamos à espera da Câmara que tanto se tem atrasado inexplicavelmente."

"O Sport não precisa de um único tostão da Câmara, mas apenas que esta enquadre e aprove os projectos"

"A Câmara tem mostrado abertura perante os projectos apresentados, mas o Sport começa a ficar cansado de só ter abertura e não concretização das coisas. Nós não queremos dinheiro do Estado nem da autarquia"

De: TAF - "As discussões públicas..." 

"... «à portuguesa»"

Pois parece que nada feito quanto a ficheiros do Masterplan com tamanho decente...

A SRU não tem os ficheiros originais, que estão na posse da empresa que terá preparado a paginação em Autocad! Por isso, conversões mais adequadas para formato PDF a partir da fonte (em que o texto seja tratado como texto e não como imagem) para poder distribuir o documento pela Internet são uma miragem para a SRU. Facilitar a vida aos cidadãos, dando-lhes acesso aos dados da maneira mais óbvia nos dias de hoje, nem pensar. É preciso ir fisicamente à sede da SRU levantar um CD com dois ficheiros monumentais de leitura problemática em qualquer computador com características apenas médias.

No entanto, a SRU informa que depois de terminada a discussão pública já me consegue arranjar os ficheiros originais definitivos.

Bela discussão pública! :-(

De: Cristina Santos - "Especialistas em Política..." 

"... reunem-se na Cidade"

A nossa Cidade vai ser palco de mais uma iniciativa pioneira em Portugal. Trata-se de um seminário sobre marketing político, promovido pela Associação Europeia de Consultores Políticos e o Curso de Jornalismo e Ciências da Comunicação, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Os temas em debate versam o absentismo e campanhas políticas.

Destinam-se a assessores de partidos, instituições políticas, empresas de consultadoria, publicidade e relações públicas e jornalistas especializados em política, que estejam interessados em aprender algo com os especialistas da matéria, nomeadamente o antigo assessor do Sr. Kennedy, o Chanceler Schmidt entre outros.

Os primeiros debates terão lugar na próxima quinta-feira no Círculo Universitário do Porto.

Esta iniciativa a par de tantas outras que se tem realizado, contribuem para o destaque da nossa Cidade no palco nacional e internacional.

Aproveito ainda o post para louvar o trabalho dos técnicos de marketing da marca «Continente», que prestam diariamente na TV um contributo ao valor da nossa Cidade, anunciando a todo o País que o Porto tem mais um monumento de que se deve orgulhar.

Claro que este monumento é o hipermercado Continente, contudo o slogan utilizado beneficia a Cidade.

Devo ainda dizer que existem muitas micro-empresas na Cidade que tem o cuidado de incentivar o valor do Porto em cada anúncio ou outdoor que publicitam, esperemos que a moda pegue.

Cristina Santos

De: TAF - "As torres do Aleixo" 

Enquanto os políticos brincam aos túneis...
As cinco torres que protegem o crime

A visitar também: No Bairro do Aleixo

De: Assunção Costa Lima - "O Túnel: ver, ouvir e calar" 

Não quero opinar sobre o Túnel de Ceuta e a sua saída na zona do Carregal. Quero apelar. Apelar ao bom senso: ao bom senso da Câmara Municipal do Porto na pessoa do seu Presidente, da Srª Ministra da Cultura, do IPPAR também na pessoa do seu Presidente, dos residentes do Carregal, dos comerciantes do Carregal, dos que gostam do Carregal, dos que não gostam do Carregal, dos amam a cidade do Porto, dos que não gostam dela, dos que assinaram a "Petição a Favor do Porto", dos que não a assinaram, dos Bloguistas de “A Baixa do Porto”, dos bloguistas de outros Blogs, do Presidente do C.A. do HGSA, dos utentes da zona do Carregal, daqueles que nem sequer sabem onde é o Carregal, de todos os cidadãos do Porto e de fora do Porto, apelar ao TAF que tão generosamente constituíu e atura este blog. É tempo para parar e meditar. E calar. É realmente fácil exprimirmo-nos de forma incisiva sobre uma qualquer coisa e reputá-la de execrável ou de magnífica. Dizer de forma simples se algo é bom ou mau é verdadeiramente difícil: é realmente um acto de bom senso e o bom senso não tem abundado no “caso” Túnel de Ceuta”.

Sobre a forma como corre a discussão deste caso nos mais variados locais nomeadamente nos media e nos placards afixados no Carregal, permito-me transcrever parte de um excerto de Georges Picard, no "Pequeno Tratado para Uso Daqueles que Querem Ter Sempre Razão", que retirei do Blog do Citador

"Só os ingénuos podem crer que uma discussão visa resolver um problema ou esclarecer uma questão difícil. Na realidade, a sua única justificação é testar a capacidade de os participantes derrubarem o adversário. O que está em jogo não é a verdade, mas o amor próprio. O bem falante leva a melhor sobre o que tartamudeia, o temerário sobre o tímido e o arrebatado sobre o escrupuloso. Estar de boa fé equivale a potenciar as desvantagens, porquanto os escrúpulos se somam à circunspecção, dificultando a expressão. O que é a boa fé? Uma conduta de fracasso, um autêntico suicídio... Quem participa em debates fala sem escutar, espezinha qualquer raciocínio que não seja conduzido por si próprio, despreza as oposições, ignora as obstruções e, de certo modo, conquista a vitória à força de palavras.
....
Nesta matéria, a subtileza não substitui a brutalidade que, não obstante a detestável fama em certos meios intelectuais, dá resultados mais seguros num prazo de tempo nitidamente mais curto. Mais vale tirar o bocado, sem modos, à semelhança de Porthos, do que arrastar a decisão, fazendo cerimónia, à moda de Aramis."

Sobre o Túnel de Ceuta e a sua saída no Carregal já tudo foi dito. Referindo o post do Arquitecto Burmester “porque uma imagem vale mil palavras....” resta calar.

Assunção Costa-Lima

De: Manuela DL Ramos - "Árvores do Parque..." 

"... do Inatel em Ramalde #2"

Sem querer abusar ...(e parece-me que não pararei tão cedo)
Árvores do Parque do Inatel em Ramalde #2

De: TAF - "Nos jornais hoje" 

- Túnel de Ceuta: Obras paradas, mas...
- Túnel de Ceuta chega ao tribunal - Apontamentos
- Indemnização não está afastada
- Presidente do IPPAR acusa Câmara de má-fé ao avançar para tribunal
Eu continuo a insistir que a única solução viável e potencialmente consensual nesta fase é o túnel terminar em frente à morgue, no Carregal, tal como estava inicialmente previsto. Aposto que o IPPAR aceita agora essa solução se lhe apresentarem formalmente o projecto.

- Bairro de Parceria e Antunes: Incumprimento “é impensável”
- Câmara rejeita incumprimento e apela a Sócrates

- Metro até às traseiras do S. João
- Comissão exige que o Governo pare as obras do metro no "S. João"
- Casas demolidas dentro de um mês em Ramalde
- Câmara reconduz José António Barros no Coliseu do Porto
- Comércio ao domingo e bares até às 4h00
- Museu da Farmácia em projecto no Porto

- Filipe Menezes propõe solução para Hospital em Gaia
- O Sistema de Saúde e a capacidade instalada - opinião do director do IPO
- Novos hospitais vão ficar à espera de mais estudos
- Governo suspende e manda reavaliar a construção de cinco novos hospitais

Quanto ao Masterplan, a SRU não me dá acesso aos ficheiros originais e por isso não consigo produzir PDFs decentes que possam ser distribuidos via net. Só mesmo indo lá buscar o CD e, ainda assim, há imagens que não estão legíveis.
PS: Telefonaram-me agora da SRU. Já dei as minhas recomendações técnicas para tentar obter ficheiros mais compactos que se possam publicar online. Pode ser que o caso se resolva.

De: Manuela DL Ramos - "Árvores do Parque..." 

"... do Inatel em Ramalde #1"

Como todos nós gostamos de árvores e para se ver de que arvoredo se está a falar: Árvores do Parque do Inatel em Ramalde #1
P.S. Aproveito para agradecer as cordiais palavras de F. Rocha Antunes

Manuela D.L Ramos

2005/05/03

De: Rui Cunha - "A minha «inauguração»..." 

"... da Casa da Música"

Transcrevo abaixo um mail que enviei em 24/4/05 ao Director da Casa da Música.
Cumprimentos
Rui Cunha
----
Assunto: A minha "inauguração" da Casa da Música

Snr. Director da Casa da Música

Fui hoje, 24/4/2005, pela primeira vez após a inauguração, visitar e assistir a um magnífico concerto.
Gostaria de fazer algumas referências, pois estou certo que é vosso desejo conhecer a opinião dos visitantes.

1) Exteriormente não vou referir-me de um modo especial, pois era já do meu conhecimento. Devo dizer no entanto que me faz lembrar a frase de Fernando Pessoa "primeiro estranha-se, depois entranha-se".
Hoje a arquitectura agrada-me inteiramente e estou certo que será, ou já é, no futuro uma referência internacional da nossa cidade do Porto.

2) Todos os corredores, bar e locais exteriores, que pude visitar, à grande sala foram para mim uma agradável surpresa. Tirando o "estrangulamento" para o bar, a luz e a decoração são do meu total agrado.

3) Quanto à sala de concertos; A decoração contrasta totalmente com o resto do que vi, porém não direi que me senti desagradado. Não posso dizer que no primeiro dia me tenha "enchido as medidas", mas deixarei para novas visitas, que tenciono fazer, uma melhor compreensão.

4) Dado que o concerto de hoje foi de dia, antes do pôr do Sol, agradou-me muitíssimo a luminosidade. Deixamos de assistir a uma récita com a sala às escuras, podendo desfrutar da visão da orquestra e dos coros, mas também da assistência e de tudo o que nos rodeia, sem ser à luz artificial. Nisto acho que demos (eu também, pois sou portuense e considero a Casa da Música também como minha) um grande passo.

5) Considero um gravíssimo erro, não posso dizer bem de tudo, o tipo de cadeiras que ali instalaram. Já tinha sido informado por parentes e amigos meus do seu desconforto, mas pensei que seria de somenos importância. Hoje pude experimenta-lo, e na verdade não conheço outro local de reunião com cadeiras tão desconfortáveis e difíceis de alguém aguentar 30 minutos que seja. Certamente já devem ter reparado nas inúmeras pessoas que se mexem nas cadeiras, tentam encostar o coxis mais atrás, enfim não se sentem confortáveis. Eu conseguia de vez em quando chegar-me atrás carregando com as duas mãos na cadeira, para esta não recuar. Francamente quem desenhou estas cadeiras possivelmente nunca nelas se sentou, ou tem uma anatomia invulgar.
Para que gastou tantos milhões de Euros numa Casa da Música, não deverá ser muito dispendioso trocar as cadeiras por outras para pessoas normais. Acreditem que já ouvi vários comentários afirmando não poder voltar por terem saído com fortes dores de costas.
Além disto verifiquei que faz falta uma coxia central, pelo número de vezes que fui incomodado.

6) Infelizmente não pude ir ao pátio superior da Casa, espero fazê-lo brevemente. A visão que tive da parte traseira da Casa da Música, na parte superior da sala, decepcionou-me totalmente. Gostaria bem que não construíssem a sede do BPN, pois abafa a visibilidade exterior. Mas, com toda a franqueza, se a não construírem terão que plantar umas árvores bem altas para que não se veja aquele triste espectáculo.
Talvez lá em cima a vista seja mais agradável. Veremos.

7) Outro pormenor, que, em meu entender, o não é, trata-se da falta de separadores entre os urinóis. Um mínimo de intimidade é essencial para alguns. Notei que as pessoas que entravam se dirigiam para os do fundo junto à parede. Fácil de resolver.

8) Fiquei verdadeiramente encantado com a forma tão simpática e solícita como, desde a garagem até à entrada da sala fui tratado pelo pessoal de serviço. Não ouvi um remoque, um enfado, enfim o mais pequeno gesto de desagrado, muito embora eu tenha ido com uma hora de antecedência e quisesse "meter o nariz" em tudo, mesmo naquilo que por força da hora e do concerto que se seguia, estava vedado. Parabéns a todos, pois infelizmente hoje em dia não é a isto que estamos habituados.

9) Referindo-me agora ao concerto em si, a 2ª.Sinfonia de Mahler, pela ONP e o coro Gulbenkiam, com direcção musical do maestro Marc Tardue, foi dos momentos mais deliciosos que tenho vivido em salas de concerto. A interpretação, no meu entender, foi soberba, desde a entrada, tão diferente de maestro para maestro, até à última nota. Não posso dizer o mesmo das solistas, embora não se tenham saído mal. O côro mostrou uma ou outra hesitação e, até por poucas vezes, alguma entrada menos correcta. Mas agradou-me muito ouvir esta espantosa obra.

10) A acústica da sala é simplesmente espantosa. Podiam ouvir-se todos os timbres, todos os instrumentos, não havia confusão nos momentos altissimos desta Sinfonia e uma perfeita audição dos pianissimos, que tantos tem. Fiquei maravilhado.
Perante tal, não posso deixar de lamentar profundamente que se quizermos ouvir boas óperas nos mandem para um Coliseu em que muitas vezes se não ouvem os cantores sobre a orquestra !
Tenho muita pena de ter de lhe chamar Casa de quase todas as Músicas.

11) Resta-me referir o público. Excelente. Não me lembro de em Portugal ou em Paris ter sentido tanto respeito e tanto silêncio como hoje. Até nem se ouviu um único telemóvel !

Esquecendo todas as peripécias e, digo mesmo, vergonhas a que assistimos nestes anos passados, esquecendo que a sua localização é má, estamos todos de parabéns.

Rui Cunha


De: Rui Cunha - "Túnel de Ceuta" 

Tenho seguido com a maior atenção este assunto.
Primeiramente que afirmar que estou de acordo com o comentário hoje expresso por Alberto Lima - "Buraco de Ceuta". Não porque seja ou não convicto apoiante de Rui Rio, pois entendo que o bem da cidade e dos portuenses está acima dos políticos ou políticas.
Na verdade considero que, há muito, se assiste a um vergonhoso espectáculo em que é a política que comanda. No entanto a minha opinião é que a saída tal como presvista pela CMP é a melhor. Se o IPPAR reprovou a primeira versão, com saída no Carregal, não vejo que outra seja melhor.
Se o IPPAR aceita, como li, a saída junto da R. Adolfo Casais Monteiro, além da pouca largura, tem, em meu entender, muito maior prejuizo para o Museu, dado que o vento perdominante é oeste/este, e portanto a poluição do ar afacta-lo-ia mais. Na hipótese da saída junto ao Hospital é este que é mais atingido. Será que, desde o malfadado Porto 2001, estaremos condenados a ser uma cidade estaleiro e em que tudo é adiado ou não concluído?
Ponham a Cidade e os Cidadão acima de Tudo, e deixem-se de politiquices.

Obrigado
Rui Cunha

De: Cristina Santos - "Alberto Lima" 

Caro Alberto Lima

O túnel:

Não pondo em causa que a alteração à proposta para a saída do túnel seja ou não mais benéfica para o trânsito, a questão está na teimosia de fazer crer aos Portuenses que esta é a única solução que permite o fim das obras em tempo útil.

O braço de ferro com a ministra da cultura foi levado ao extremo pelo Presidente em funções, quando se permitiu à vingança pessoal de deixar um amontoado de terra em frente ao museu.
Ora se a Ministra está em Lisboa, e de resto pouco interessada nas gentes do Porto, não vai alterar a sua posição só porque os entulhos tampam a via ou o museu.
Se o objectivo era pressionar o Governo Central através dos incómodos causados ao povo, falharam na missiva, pois não existe qualquer justificação para aprovisionar tais quantidades de terra.
Estes incríveis percalços ditam a mudança de posição de quem tenha o mínimo bom senso.

O respeito:

O Presidente da nossa Câmara merece respeito pelo esforço e coragem de intervir em áreas até aqui desprezadas por outros governos autárquicos.
Em três anos foi intervindo em áreas importantíssimas, tentando demonstrar aos Portuenses que a sua idoneidade pessoal não lhe permitia o jogo político, concluiu obras, respeitou orçamentos, verbas incríveis etc...

Mas Rui Rio foi incapaz de agir com diplomacia, com respeito por algumas hierarquias, isto até pode ser uma boa qualidade tripeira, contudo a maioria das quezilas podiam ter sido evitadas - o executivo tinha ganho tempo.
A conjunção com o Metro do Porto em benefício da cidade foi uma cartada de mestre, mas Rui Rio é incapaz de intervir sem tornar as questões pessoais, tem uma necessidade extrema de dificultar as decisões com a esperança de ver reconhecido o seu esforço.

Falhou quando se afastou da noção de que o reconhecimento público seria difícil, dado tratar-se do primeiro mandato do PSD, ainda para mais um mandato por contestação, perdeu a noção da existência de uma oposição consistente e intrínseca à cidade, que ganha terreno de cada vez que o provoca e ele responde.
No prosseguimento da sua imagem Rui Rio devia olhar para a Cidade com se ainda lhe restassem quatro anos para governar.

Caro Alberto, eu atrevia-me a dizer que mesmo dentro do executivo o Presidente tem lidado com oposição, com jogo político que o próprio não soube precaver.

Mas isso espero discuti-lo no fim do Verão.

M. cumprimentos
Cristina Santos

De: F. Rocha Antunes - "Exercícios de cidadania" 

Meus Caros,

Uma das grandes vantagens deste blogue é pôr pessoas que gostam da mesma cidade a falarem civilizadamente umas com as outras. E permitir que todos, apenas investidos com a legitimidade de cidadãos, digam o que acham sobre os mais variados assuntos comuns. Não só por isso, mas também, venho continuar a conversa sobre o Inatel, agora abordada por Manuela D.L. Ramos, uma das participantes desse delicioso blogue que é o dias-com-árvores, uma das minhas paragens obrigatórias na ronda diária à blogosfera.

A afirmação que fiz baseia-se na transcrição do que está no PDM do Porto, já na 3ª, mas suspeito que não a última, versão. E uma transcrição é rigorosa. À qual acrescento a minha opinião, que é só isso, uma opinião. E na transcrição digo que, urbanisticamente, o espaço de equipamento, embora reduzido a metade, tem a classificação de equipamento e não como zona de construção como tinha sido escrito. Já na opinião, disse que não me parecia que era um exercício de criação de solo para construção.

Eu até posso concordar que não faz sentido, ao reduzir-se a metade a zona de equipamento por atravessamento do prolongamento da Rua Eduardo Allen, que não se tenha mantido a classificação de equipamento dos dois lados da nova via. Agora, que aquilo não vira tudo espaço para construção, não vira. Mas pelo que agora percebo, a capacidade de construção destina-se a ser utilizada pela própria C.M.P. para realojar pessoas que foram afectadas pela construção da nova rua, eventualmente até, especulo eu, dos proprietários das moradias a expropriar. Também concordo com Mário G. Fernandes, que diz que não faz sentido prolongar a nova rua para além da Avenida Antunes Guimarães, poupando-se a Quinta da Fonte da Moura.

É esta a grande vantagem das discussões públicas: conhecermos os outros pontos de vista e podermos chegar a soluções melhores para todos. Agora, neste caso, esta discussão vem tarde, a não ser… que o PDM volte à discussão pública. Importa ainda perceber que este PDM esteve em discussão pública 3 vezes. E que fomos todos chamados a propor alterações. Eu na altura devida fiz as propostas que achei que tinha de fazer. Todos pudemos fazê-las. Será que todos fizemos?

Francisco Rocha Antunes
Promotor imobiliário

PS1 - Este processo não me parece ter a ver com o Metro na Avenida, uma vez que as intenções de estender essa nova via à Avenida Antunes Guimarães são bem antigas. O que me parece é que a CMP tentou empurrar também este assunto para o Metro, porque sempre era alguém que podia pagar a obra em vez da CMP. Não nos podemos esquecer que o Metro é gerido por uma federação de presidentes de câmara, e que o dinheiro que por lá se gera para investimento em espaço público é tentador.

PS2 – As expressões “à la partido político” de Pedro Baptista são isso mesmo. O tal estilo de que ainda ontem falava.

De: Alberto Lima - "Buraco de Ceuta" 

Sou um convicto apoiante do Dr. Rui Rio. Afinal ele representa tudo com o que me identifico. Há alguns mais como eu. "Poucos", certamente...

Lamentavelmente, algumas opiniões aqui publicadas (ou para aqui direccionadas) tentam passar por politicamente independentes. Essas opiniões são tão independentes como a Sra. Ministra da Cultura!

Como andam "independentes", arautos da Cultura e, seguramente, regulares visitantes do 2º Museu menos visitado de Portugal (segundo a própria directora), todos, genuína e apoliticamente, preocupados com a situação do "Buraco de Ceuta", pergunto aos verdadeiros independentes:
  1. A Sra. Ministra já respondeu à última proposta do Presidente da CMP?
  2. O IPPAR já respondeu ao pedido da CMP para lhe dar conhecimento de um determinado parecer negativo que TODOS os funcionários da CMP desconhecem mas a Sra. Ministra diz existir?
  3. A CMP desrespeitou o acordado com a Sra. Ministra e o IPPAR continuando as obras?
  4. Na humilde opinião de um independente o Museu fica prejudicado com a saída prevista para a Rua D. Manuel II?
  5. O Dr. Rui Rio ganha alguma coisa com isto?
  6. A Cidade ganha alguma coisa com isto (Museu incluído)?
A minha resposta é não a tudo.

Então porquê esta confusão toda?

Nota 1: Poupem as referências a respostas antigas. Vamos pelos argumentos simples e directos. Pode ser?

Nota 2: Os mais prejudicados, Comerciantes e Residentes locais, que têm feito barulho nos media, internet, etc. não são, de certeza, todos votantes do Dr. Rui Rio ou do PSD. Muitos terão votado no Engº Sócrates.

Nota 3: Se fossem o Ministro(a) da Cultura e achassem mesmo que a solução actual não poderia ser concretizada, não proporiam uma solução para um problema que afecta Milhares de Portugueses?

...Descarada falta de respeito pelos Portuenses e pelo Presidente da CMP...
--
Nota de TAF: "ele representa tudo com o que me identifico". Tudo mesmo?

De: TAF - "As novelas do costume" 

- Câmara do Porto retoma obras do túnel de Ceuta contra decisão do Governo
- Câmara do Porto queixa-se ao primeiro-ministro de decisão para o CMIN

De: TAF - "O calvário dos investidores" 

Leia-se o texto "A gestão urbanística cmp" de Avelino Oliveira:
"Aproveito para vos relatar uma curta experiência profissional que tive com a SRU – Porto Vivo.
Após diligentes e simpáticos contactos ..."

Continua aqui.

De: D. Fortuna do Couto - "Texto de Pedro Baptista" 

Caríssimos

Cá vai um texto que o Pedro Baptista pediu para enviar porque o seu e-mail se encontrava a dar erros.

Obrigado
Daniel Fortuna do Couto

Luz no Túnel

Nesta coisa de debates em que cada uma das partes possa ser pintada com político-partidarismo, a tentação do fácil virtuoso meio-termo, do nem tanto ao mar nem tanto à terra, é irresistível. Por um lado, não compromete com os inconvenientes que cada uma das partes atira à outra, por outro alcandora-se à superioridade moral de quem está acima das terrenas tricas, eles sim em defesa do "interesse da cidade" ou dos "cidadãos" ou dos "comerciantes e utentes" ou de um qualquer metafísico bom senso.

Por isso os que procuram sempre esta saída, tratam de fazer a pintura dos termos adequada à saída que pretendem.

É assim que a questão de do Túnel aparece como uma querela político-partidária, pretendendo-se que entre o PP/PSD e o PS. No entanto o chumbo do IPPAR sucedeu com o governo do PP/PSD e foi a ministra da Cultura do dito que se recusou a fazer o que Rio & Ca (incluindo Sá) lhe pediam!

Para os nossos pintores de dialécticas de conveniência não terá sido antes, com mais lógica, um confronto entre facções do PP/PSD?

O assunto foi herdado pelo governo PS. E esperavam que o PS fosse facilitista, lasso, ou trafulha, onde o PP/PSD não foi? Tapando os olhos à ilegalidade evidente, calando o IPPAR, ou achando, à La Rio, que o Palácio dos Carrancas, ainda por cima Museu de Arte, não passa dum incómodo? (Diferente seria se fosse o Museu do Ferrari)

A montante foi Rio que herdou o Túnel de Cardoso e Gomes? Pois foi. E por que decidiu Rio alterar-lhe o projecto? Só porque o "compagnon de route" Solari Allegro lhe "assoprou" aos auriculares que fosse que fosse que fosse projectado pelo PS teria de ser asneira por ainda serem primos dos comunistas, os tais que para o Allegro, dão injecções atrás das orelhas dos meninos?

E se decidiu mudar, para dizer que ele faria melhor, dando-lhe de barato estar no seu direito, por que não seguiu com os procedimentos adequados? Não os conhecia? Não sabia que tinha de pedir parecer do IPPAR e esperar resposta ou deixar o prazo desta para ser considerada aprovação tácita? E que é isto senão total incompetência? Irresponsabilidade incompatível com o alto cargo que desempenha?

Para ficarmos por aqui. Pois a solução em cima do Soares dos Reis não só é ilegal como do ponto de vista do trânsito é iníqua. Não havendo nestas coisas soluções perfeitas, a solução inventado pelo Rio e pelo Allegro tem muito mais inconvenientes que a solução Carregal que era a solução prévia que nunca devia ter sido mexida.

A solução Carregal foi sempre a mais barata e a mais adequada tanto ao acesso à Urgência como ao trânsito para Sul e para Norte. Já estaria pronta há muito, sem polémica nem chatices. É o que há a fazer para resolver o assunto rapidamente e sem mais prejuízos para os cidadãos.

Assim permita a teimosia de Rui Rio. Que deveria mostrar ao tomar tal atitude que considera a lei acima de tudo no procedimento administrativo. Provavelmente não o fará porque se sentirá a sair com o rabo entre as pernas o que, no seu entendimento, o poderá prejudicar eleitoralmente.

Desmistificando os velhos salomónicos do uma no cravo outra na ferradura, percebe-se assim onde está a questão político partidária!

Pedro Baptista

De: Manuela DL Ramos - "Inatel em Ramalde" 

“O arvoredo, por assim dizer, vai todo embora!”

Vivo na Avenida Vasco da Gama (perpendicular a Antunes Guimarães), muito perto portanto do Parque Desportivo de Ramalde do Inatel. Desde que não é permitida a cães deixei de lá ir assiduamente pois gosto de sair, sempre que possível, com a minha minúscula e esperta cadelinha. No entanto, apesar de não entrar, costumo passear à volta, por fora do recinto vedado, pois a zona circundante é arborizada e as próprias árvores e espaço verde do Parque se sentem e vêem do exterior.

É realmente lamentável que se tenha optado por prolongar a Rua Dr. Mota Pinto (na continuação do viaduto das Andresas), atravessando o Parque do Inatel e destruindo parcialmente este vasto espaço. Isto para resolver um problema da circulação automóvel -que segundo parece (ver entrada do arq. Edgar Soares “Efeitos secundários do Metro da Boavista” no dia 12 de Janeiro deste ano) irá ser provocado pela ainda hipotética linha de Metro da Av. da Boavista.

Conversei anteontem longamente com várias pessoas, nomeadamente com o “caseiro” da Quinta da Fonte da Moura e com o jardineiro do Parque, e ontem voltei lá ao fim da tarde. Foi uma conversa interessante (até fiquei a saber onde há uma “pinheira mansa” que dá pinhas e pinhões para plantar...) mas apenas aqui transcrevo uma frase do responsável pela plantação de grande parte das árvores posteriores à construção do Parque: “O arvoredo, por assim dizer, vai todo embora!”

Pode ver-se pela imagem que quase metade do Parque vai desaparecer. Isto porque na extremidade sul (A) se vai construir (segundo informações recolhidas no local, entre outras habitações para realojar as pessoas afectadas pela construção da via). Para além disso a reconstrução do estádio mais para Norte implicará a ocupação de grande parte do espaço livre (D) e o abate de todas as árvores que ladeiam actualmente a bancada–norte (C). Para além de muitas outras, nomeadamente no caminho principal em frente ao edifício, e no espaço exterior circundante.

A destruição será maciça! O “grosso da área verde” desaparecerá e serão abatidas cerca de 3 centenas de árvores. O alargamento da rua Eduardo Allen (a vermelho) implicará a destruição de duas vivendas, e se como prevê o projecto, se continuar a via avançando sobre antigos terrenos da Quinta da Fonte da Moura (E), continuar-se-á a ocupar espaço e a destruir. Que depois se vai construir muito? Ah! isso não me restam dúvidas e que não vai decerto ser habitação social, também tenho quase a certeza.
Por isso não entendo que se afirme (como o faz o Sr. F. Rocha Antunes ) que “não vai ser cometido nenhum atentado irreversível nem se vai criar uma nova estrutura viária estranha à que já existe na zona”, que “garantir aquele espaço com espaço verde, parece assegurado”; e que “a única mancha nova de capacidade de construção é a que fica entre a extensão da nova rua que vem do viaduto das Andresas e o bairro social já existente”

Só posso regozijar-me também por J. Corte-Real tornar a este assunto.

Cordialmente
Manuela D.L.Ramos

De: João Medina - "Portuguembashi..." 

Numa notícia chocante do Público de 21 de Março deste ano ficamos a saber que (da qual só encontrei referência indirecta aqui):

"Presidente do Turquemenistão acaba com hospitais na província - Quem ficar doente na antiga república soviética deve viajar até à capital, a única cidade com serviços médicos
O Presidente do Turquemenistão, Saparmurat Niazov, anunciou no início do mês uma reforma radical do sistema de saúde naquela antiga república soviética da Ásia Central: todos os hospitais regionais vão ser encerrados e os doentes de todo o país devem deslocar-se à capital, Ashgabat, quando precisarem de tratamento médico.
O objectivo, explicou Niazov, é garantir um serviço de qualidade num país onde há falta de médicos. "No sistema de saúde", disse o chefe de Estado, "todos os hospitais devem ser em Ashgabat, e estão a ser construídos mais aí neste momento. Na província serão abertos centros de diagnóstico. As pessoas que vão a esses centros, devem pagar - sem pagamento não se pode esperar nada - e alguém lhes passará uma receita. Na capital podem ser tratados por médicos. Os hospitais regionais não são necessários".
"Porque é que devemos desperdiçar bons especialistas médicos nas vilas quando podiam estar a trabalhar na capital?", interrogou-se o dirigente que se intitula também Turkmenbashi, ou Pai dos Turquemenos."

Vem isto a propósito da notícia de hoje onde se fica a saber que "Governo Só constroi 5 dos 10 hospitais prometidos" da qual apresento alguns excertos:
Notem-se as coincidências entre ambas as notícias.
Também por cá, todos os novos hospitais previstos para a grande lisboa se mantêem. Aliás "não se encontrou justificação para a não inclusão na lista" de mais hospitais, todos da área metropolitana de Lisboa.
Já os hospitais do Grande Porto, e do interior... são tratados como as províncias turcomenas onde "Os hospitais regionais não são necessários".

Mais dia menos dia, também teremos alguém que se autointitula de Portuguembashi...
______________________________
João Medina

De: F. Rocha Antunes - "Comentários sérios" 

Caro Filipe Araújo,

A propósito do que disse, sobre comentários sérios, sugiro que leia mais do que os últimos post’s publicados.

Só post’s meus pode ler:
Estes são os meus post’s, mas há muito mais, de muita gente, e bem melhores que os meus.

Antes de dizer alguma coisa, deve fazer um mínimo de esforço. Dizer que nunca se falou aqui da posição do IPPAR é, no mínimo, desconhecimento do que já se escreveu. E não tinha custado nada ter lido. Sejamos, como diz e bem, sérios.

Francisco Rocha Antunes
Promotor imobiliário

De: TAF - "CD do Masterplan" 


Já sou feliz possuidor do CD com o Masterplan! :-)
Contudo, os dois enormes ficheiros PDF são pesadíssimos e é impossivel colocá-los aqui no blog. Já pedi à SRU para me dar acesso aos ficheiros originais para poder fazer uma conversão mais conveniente. Aguardo. Entretanto, aqui fica o índice do volume I e o índice do volume II.

De: Cristina Santos - "Justiça" 

Em relação ao post do Francisco Antunes permito-me desmitificar a conclusão do mesmo. Se é certo que a admissão de culpas reduzia a pena dos envolvidos, mais certo ainda é que a pena máxima garantia à sociedade mais segurança.
Não concordo que admitir erros seja motivo para a redução da pena, é um acto que não transmite arrependimento.

Vejamos:
Por exemplo, Rui Rio teve uma oportunidade de se redimir das eventuais implicações da sua postura - bastava que removesse os entulhos da obra interrompida.
Todos sabemos que mais de metade da volumetria da terra proveniente da escavação não vai ser reutilizada, pelo que a permanência desta num amontoado junto ao Museu nunca seria justificável se não por pura obstinação política. É aquela oportunidade que em geral o criminoso pretere, não socorrendo a sua vítima; depois de a deixar morrer é completamente indiferente se admite ou não a culpa.

Rui Rio tenta ainda aproveitar-se do desespero das gentes Portuenses, transmite diariamente que se a obra for autorizada na forma em que ele a considerou exequível o problema deste moradores termina, pois terminam as obras - quase como criminoso que faz justiça pelas suas mãos, em legítima defesa.

Neste exemplo que o Francisco aqui deixou faltou ainda referir que independentemente dos culpados há em primeiro lugar que socorrer as vítimas.

O que verdadeiramente corroi a alma de qualquer portuense vitimado é a noção perfeita de que este sistema já é antigo, o que danifica os propósitos da justiça é exactamente a falta dela, seja à direita seja à esquerda.

Vejamos ainda que a divulgação da impunidade na resolução de crimes graves proporciona crimes gravíssimos, esperamos que os empreiteiros tenham bom senso e não usem dos mesmo argumentos para contrapor os licenciamentos, mais se espera ainda, que não se torne um hábito amontoar os entulhos das obras em frente às janelas dos edifícios...

Já agora onde anda a fiscalização e aquele velho mote – «Os senhores estão a obstruir a via pública...»

Cristina Santos

De: António Moreira - "Túnel de Ceuta, o embargo" 

Há cerca de oito anos, na Catalunha, dirigindo-me da Figueres para Roses, onde passava as férias com a minha mulher, desviei-me em direcção a Castelló d'Empúries, para visitar a sua magnífica Catedral gótica e admirar o seu famoso tesouro.
Chegando à praça central, deserta à hora da "siesta", dirigimo-nos, a pé, até à Catedral, apenas para verificarmos que estava fechada e sem qualquer horário de abertura ou qualquer outro tipo de informação.
Olhando em redor, à procura de um qualquer sinal de vida, reparamos numa modesta tasca que apresentava a porta entreaberta.

Entramos.
Na penumbra do espaço vazio dirigimo-nos ao "tasqueiro", homem já algo entrado nos anos mas de pose altiva, e perguntamos se nos sabia informar como e a que horas se poderia visitar a Catedral.
O homem olhou para nós, de alto a baixo, e respondeu de forma desabrida:
"Coño!
Se vocês tivessem sede e vissem que a minha tasca estava fechada, iam ali à Catedral perguntar ao padre a que horas abria a tasca?
Não? Então por que me vem aqui perguntar isso?
Será que o padre é mais que um simples tasqueiro?"

Perante o inesperado da situação, demoramos alguns segundos até recuperar a lucidez e constatar que, por um mero acaso da sorte, tinhamos tido a felicidade de encontrar o mais genuino exemplar do "Velho Republicano Catalão".
Então, apenas fui capaz de lhe estender a mão e responder "Coño! Tienes razón".
O resto da tarde foi passado na mais amena cavaqueira com este extraordinário personagem.
Entre malgas de vinho, rodelas de "chorizo" e o típico pão frito com azeite e tomate, lá conseguimos ficar a saber que a Catedral, de acordo com os humores do padre, funcionava à moda dos antigos comboios de Espanha (abre quando abre e, às vezes não abre) o que levava ao desespero do nosso anfitrião, forçado, constantemente, a responder desta forma a todos os turistas que, como nós, transformavam a sua tasca num posto de informações.
O facto de não termos podido visitar a Catedral (havemos de lá voltar já que, aparentemente, agora funcionará melhor) e de o nosso personagem, ao invés de um "velho republicano catalão" ter revelado ser, afinal, um nosso vizinho Galego, que enquanto militar da Guardia Civil, tinha ali sido colocado, ali casara e enviuvara e, agora reformado, por lá tinha ficado, não impediu que tivesse sido este talvez, mais do que as visitas a Figueres, Cadaqués, ou às ruínas de Empurias, o ponto mais marcante dessas férias que, ainda agora recordo com ternura.

Qual a relação disto com o romance do Túnel de Ceuta ou o actual embargo?
Acho que nenhuma, mas, após tantos argumentos de um e outro lado, sobre o mesmo assunto, pensei que seria altura de escrever sobre qualquer outra coisa.
Lembrei-me disto.
Talvez porque, naquela tarde em Castelló d'Empúries, aprendi algo.

Um abraço
António Moreira

PS – Para a Cristina Santos: É raro estarmos de acordo, mas é um prazer ler o que escreve quando está num "dia mau", obrigado :-)

De: Filipe Araújo - "Política Local" 

Caro TAF,

Não podia deixar de comentar o seu post. Que outros neste Blog escrevam textos absurdos, sem qualquer conteúdo, desprovidos de argumentos válidos já estamos todos habituados e passamos esses textos à frente! Mas existem algumas pessoas que aqui escrevem e às quais dedico algum tempo a ler...

O Sr. é uma dessas pessoas e custa-me ver defender que a solução para o Túnel é voltar ao início, mas não à solução junto ao Hospital mas sim à que fica junto à Morgue. Mas essa solução já foi chumbada pelo IPPAR!!! Seria de uma irresponsabilidade voltar agora com tudo atrás, desviar o túnel e tentar demover o IPPAR, mas agora noutro sítio!

Façamos comentarios serios ao processo!!!

O Sr. tal como eu esteve num debate onde o IPPAR apresentou uma solução em tudo identica à que a Camara quer executar!!! Não vi aqui ainda ninguem falar disto!!! Afinal temos ou não de ser sérios? Normalmente o TAF costuma pugnar pela resolução dos problemas de uma forma séria sem esbanjar dinheiros publicos!!!
O problema está no que o IPPAR apresentou perante 300 pessoas num debate e nunca mais foi falado!!! No minimo o Presidente do IPPAR já devia ter posto o seu lugar à disposição depois da embrulhada em que se meteu!!

E já agora onde está o PS, continua a defender-se a ele proprio em vez de defender a cidade??
E os outros partidos? E as instituições?

Meus amigos, andamos mais uma vez a promover confusões em vez de contribuirmos todos para solução!!
Como portuense sinto-me revoltado!!!!
Não precisamos ser sempre do CONTRA para fazermos passar a nossa mensagem!
Devemos é ser todos a FAVOR do melhor para o PORTO!

Filipe Araújo
--
Nota de TAF: É ou não verdade que o comportamento das DUAS partes foi vergonhoso neste caso? É ou não verdade que Rui Rio começou uma obra de forma ilegal? É ou não verdade que Rui Rio criou problemas em vez de os resolver? É ou não verdade que, nesta fase, quer Rui Rio quer o IPPAR têm que ceder? É ou não verdade que a solução inicial junto à morgue (sendo ou não a óptima, não interessa agora) é uma solução viável e a que mais facilmente reune um consenso?

De: L F Vieira - "Esta cidade tripeira!" 

Cumprimentos e, mesmo atrasado, parabéns pelo aniversário.

Blog: Cabo Raso
Post: Esta cidade tripeira!

De: F. Rocha Antunes - "O dilema do prisioneiro" 

Meus Caros,

Penso que todos conhecem o dilema do prisioneiro. As opções desse dilema são: ou cada um assume a sua culpa, e os dois têm penas levas, ou se insistem em acusar o outro pensando que com isso se safam, e acabam os dois com a pena máxima. É o caso clássico para explicar a teoria dos jogos e a necessidade de cada jogador, por si, assumir uma posição de cooperação. Se o fizerem, mesmo que não saibam qual é a posição do outro, minimizam o risco de ficarem numa posição pior e dá-se o que se chama, nessa teoria, uma “win-win situation”, isto é, minimizam o prejuízo individual. Se, pelo contrário, persistirem em clamar a sua inocência, apesar da evidência que têm culpas no cartório, inevitavelmente conduzem a uma situação que se caracteriza pela “lose-lose situation”, isto é, perdem os dois.

Infelizmente este é o caso do assunto da saída do Túnel de Ceuta. As duas partes insistiram em ignorar aquilo que elas faziam e apenas se preocuparam em acusar o outro. O resultado está à vista: o bloqueio de uma solução que minimize o impacto a todos e o prolongar dos efeitos no tempo de tal bloqueio. Como no dilema do prisioneiro, não há nenhum inocente. E também só lhes resta perceber que é da cooperação que pode sair uma solução que ultrapasse o bloqueio.

É muito fácil agora enumerar os erros das duas partes. E são imensos. Mas parece-me que o que agora importa é criar as condições para que cada um dos lados, CMP e IPPAR, perceba o dilema em que estão e em que meteram a cidade. E a obrigação que têm de conseguirem sair do dilema.

Afinal, convém lembrar aos próprios, estamos a falar do Presidente da Câmara Municipal do Porto, que tem a obrigação de ser exemplar no seu comportamento cívico de defesa dos interesses dos seus munícipes, e do IPPAR, titulado pelo Ministério da Cultura, que deve ter a preocupação de proteger o património de forma civilizada. Os exemplos têm que vir de cima!

Francisco Rocha Antunes
Promotor imobiliário

De: TAF - "O princípio da solução?" 

Talvez agora se decida o que parece inevitável e se acabe a obra:
- Obras do túnel embargadas
- Ministra embargou túnel de Ceuta - Obra com oito anos
- Ministra da Cultura embarga obras do túnel de Ceuta em "D. Manuel II"

Juntar análise política tendenciosa, argumentos despropositados de "falta de sentir portuense" e uma visão incompleta das questões leva a artigos destes que em nada contribuem para chegar a uma solução: Escavaram um buraco e impedem que dele se faça um túnel!

- Saberes tradicionais entre o Metro e a Casa da Música
- Receitas dos comboios urbanos do Porto registam aumento

- Sá pode chumbar horários
- CDU admite votar contra liberalização dos horários do comércio
- Liberalização de horários do comércio arrisca hoje o chumbo
Voltamos à mesma discussão...

- A obra dos molhes do Douro está em curso - Há dias debateu-se este tema numa Tertúlia do Comercial. A forma tão exageradamente agressiva e apaixonada com que Bordalo e Sá apresentou as suas objecções retiraram-lhes credibilidade. Ficou a impressão de que se misturavam problemas de relacionamento pessoal com legítimas dúvidas científicas. O problema estará longe de ter a gravidade que alguns lhe querem atribuir. Na minha ignorância de leigo na matéria, diria: como a obra foi validada por outros pareceres científicos credíveis e já está em curso, agora acabe-se. Só observando os resultados se tirarão conclusões definitivas.

- Blogosfera no papel - sublinhando o carácter construtivo d'A Baixa do Porto, retomam-se de vez em quando no Comércio alguns textos anteriores do blog sobre temas relevantes que importa não deixar esquecer.

De: TAF - "O Centro Hospitalar de Gaia" 

- "PCP exige investimento urgente no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia"
- "Hospital espera por uma solução"
- Ministro suspende processo para construção de novo hospital em Gaia

Eu conheço bem este centro hospitalar, por razões profissionais. Por dentro e por fora. É um exemplo ilustrativo de como podem coexistir serviços em boas condições e espaços dignos do Terceiro Mundo. É o protótipo de uma organização mal gerida ao longo de muitos anos, seja por falta de meios, seja por incompetência, seja pela frequente alteração da administração, seja por falta de instrumentos legais para actuar. Provavelmente por tudo isto. Tem pessoal dedicado e também malandros da pior espécie. Tem gente muito competente e gente que apenas "faz o frete", como em qualquer organização desta dimensão.

No Monte da Virgem (a unidade mais importante do Centro Hospitalar, com as instalações do INEM ao lado) o terreno é magnífico e mal aproveitado. Os edifícios (muitos) precisam de uma reforma de alto a baixo. Têm vindo a ser feitos remendos em cima de remendos que apenas adiam uma solução definitiva. Sejamos claros, porque sei do que falo: muitos dos sistemas/instalações (mas não todos, naturalmente) não cumprem os requisitos técnicos mínimos indispensáveis, colocando em risco o funcionamento do hospital e a saúde dos doentes. Provavelmente o mesmo se passa em qualquer grande hospital estatal...

Os próprios acessos estão mal aproveitados. Nas traseiras do hospital, na zona oposta à da entrada principal na Rua Conceição Fernandes, existe outra entrada que não é sequer usada e que seria muito útil. Foi realizado há já muitos anos um projecto para, na prática, um hospital completamente novo naquele espaço - como é habitual, está em estudo...

O Porto (em sentido lato), com o S. João num extremo da cidade, o Sto. António no Centro, e o Centro Hospitalar de Gaia na outra margem (facilmente acessível pelo Freixo ou até por helicóptero), tem condições para possuir uma cobertura hospitalar excepcional a nível de grandes unidades. Mas para isso é preciso haver uma coordenação de esforços entre as autarquias e com o Ministério da Saúde. O Francisco já tem falado na importância da aposta nesta área da Saúde. Aproveite-se a oportunidade para praticar Política a sério, daquela que produz resultados úteis. Sem esta coordenação não faz sentido haver investimento.

PS: O Comércio fez deste assunto o tema de capa de hoje. Já acrescentei o apontador acima.

2005/05/02

De: TAF - "Buracos da política local" 

No Público: Ministra da Cultura embarga Túnel de Ceuta

Esperam-se choradinhos autárquicos para breve. Palpita-me que a única solução viável vai ser acabar o túnel tal como está previsto no PDM, ou seja, terminando no Carregal em frente à morgue. Por uma vez, faça-se como foi projectado. Mude-se o trânsito na envolvente, se for preciso. Menos barulho e mais acção. Aprendam com os erros.

De: Cristina Santos - "Todos Iguais" 

O problema político na gestão da nossa autarquia, na minha opinião, advém da incapacidade de reabilitar a sociedade e a orgânica urbana existente.
Ao longo dos anos os Autarcas optaram pela obra nova, pelo prestígio, pela invulgaridade, compraram e investiram em obras de arte, sem antes aprovisionarem os espaldares.
Esta incapacidade de reabilitar o que existe, aliada à necessidade de apresentar obra pronta em quatro anos de mandato, criou na nossa cidade estas intervenções avulso descontínuas.

O acumular dessas tendências políticas, que visavam o prestigio pessoal dos envolvidos, originou este caos, que dificulta cada vez mais a intervenção e que exige uma capacidade resolutiva de que os nossos organismos governamentais não dispõem.

A Cidade tem sido palco de investimentos prestigiantes, que servem uma identidade, mas não resolvem os problemas da população residente; na verdade nunca foi essa a intenção.

Se analisarmos a questões com profundidade, verificamos que nunca foi intenção dos autarcas recriar um jardim na Cordoaria que servisse o munícipe, não é ainda intenção autárquica reabilitar os Aliados por forma a servir a população, o objectivo principal é criar obra espampanante, europeia e pessoal.

Chega-se ao cúmulo de devastar uma avenida por um evento isolado, que serve muitos turistas, mas que não serve a população local e justificam-se tais feitos apelidando os esforçados portuenses de bairristas, incultos e portanto incapazes de compreender a razão de tais investimentos.

Somos constantemente empurrados, gozam-se os políticos dos esforços que outros fizeram, e ainda se atrevem a configurar num suposto masterplan aquilo que será a cidade ideal, ou seja, mais um projecto que elege novos comércios e residentes, pois não há capacidade de fazer reagir a cidade com os bairristas actuais.

Não sei se hoje estou num dia mau, mas não permitirei mais que se colham louros à custa dos esforços dos antepassados, não admitirei que se elejam Portuenses ideais, que se continuem a atirar com os residentes para as periferias, que se fale de galerias de arte, de corridas, de amazing teams, sem que os políticos de hoje e os futuros baixem a bolinha.

Podem ter muita esperança em ludibriar quem cá não reside, mas se os que cá moram não investem é porque sentem que a cidade já não é deles, deixem-se de bacoquices Senhores políticos, se querem trabalhar pensem, interajam, adaptem-se à situação, se for para fazer espectáculo e magia com dinheiro público, nesse caso (não digo contratem artistas - isso os senhores já fazem), mas mesmo sendo para espectáculo os Senhores continuam a não servir, por muito que estranhem, estes bairristas não gostam de música pimba.

Cristina Santos

De: F. Rocha Antunes - "Todos diferentes, todos iguais" 

Meus Caros,

Sempre insisti aqui na necessidade de nós não alinharmos no estilo caceteiro que é prática nos partidos que nos representam, e de uma certa forma de encarar a vida em sociedade. Porque é uma forma de alimentarmos o estilo de jogo em que gostam de tratar os assuntos colectivos. Porque a razão não depende dos decibeis nem dos insultos, e a discussão serena dos assuntos da Baixa e da cidade é o mais importante para nós.

Agora, que o estilo com que se rege uma câmara define as possibilidades de êxito da política prosseguida nessa mesma câmara a curto e a médio prazo, define.

Temos dois exemplos opostos mas que acabam por ter resultados semelhantes: o do Presidente da C.M. do Porto e o do Presidente da C.M. de Gaia.

O primeiro enfrentou o excesso de influência que o Presidente do FCP tinha nos assuntos camarários, e foi incapaz de reconhecer os méritos, autónomos, que o clube tem.

O segundo, aproveitou esse distanciamento pontual, e levou o Presidente do FCP ao colo, também sendo incapaz de reconhecer o necessário distanciamento entre os interesses da respectiva câmara e o FCP, desta vez de sinal contrário, e foi agora preterido pelo seu concorrente à mesma C.M.

A incapacidade de perceberem ambos o que é a distância que tem de existir entre uma câmara e um clube de futebol, levou-os a cometer erros que mais tardam todos pagamos, incluindo os próprios. Um deles, o que achou que tinha um estilo diferente, guerreia com todos utilizando formas com as que o Alexandre mostrou. O outro, que tudo apoiou, viu-se preterido porque já não deu ainda mais não sei o quê.

Isto para não falar na inenarrável situação de se permitirem misturar, com prejuízo evidente das populações dos dois lados do rio Douro, as suas obrigações políticas com as suas quezílias pessoais. O último presidente da câmara que achou que podia fazer tudo o que lhe apetecia porque o povo lhe perdoava tudo foi dispensado pelo mesmo povo de tão nobre serviço.

Todos diferentes, todos iguais. E o que mais me espanta é os próprios não perceberem isso.

Francisco Rocha Antunes
Promotor imobiliário

De: Alexandre Burmester - "Falta de categoria..." 

"... e de respeito"

E porque uma imagem vale mil palavras....


Alexandre Burmester, Arqto.
--
Nota de TAF: Escrevi eu há tempos - "Há alguns anos atrás, quando eu dava apoio mais regular a actividades de adolescentes e jovens na minha paróquia, um dos objectivos era precisamente educá-los para um comportamento social positivo, para o debate civilizado de ideias, para a abertura de espírito, para a honestidade intelectual. E viam-se resultados! Que falta fizeram essas actividades aos políticos que nos representam agora!"

De: João Paulo Peixoto - "Monstro..." 

"... «cai» sobre o Porto"

O texto abaixo saiu ontem (30.04.2005) na Folha de São Paulo.
É mais uma achega para a "conversa" sobre a Casa da Música... No mínimo já "É antes um objecto cosmopolita e de inserção internacional." como dizia o Alexandre Burmester em "post" anterior.
cumprimentos,
JP Peixoto ([email protected])

ARQUITETURA
Projetista idealiza Casa de Música da cidade portuguesa
"Monstro de concreto" de Koolhaas "cai" sobre o Porto

EDWIN HEATHCOTE
DO "FINANCIAL TIMES"

Rem Koolhaas gosta da feiúra. Sua criação mais recente, a Casa de Música do Porto (Portugal), é um monstro. Uma lixeira prismática que dá a impressão de ter caído de supetão sobre a cidade, amassando o trabalho paisagístico de pedra que o cerca. Não se sabe bem como, mas a obra não é apenas inofensiva -é brilhante.
A Casa de Música não é tão radical quanto sua forma bruta quer fazer crer. Seu centro é formado por um auditório em formato tradicional, de caixa de sapatos -embora seja uma caixa maltratada, cheia de furos e com decoração kitsch-, e os outros espaços são empilhados em volta dele e envoltos numa pele de concreto.
Koolhaas começou no cinema, como roteirista, e sua abordagem eclética e cinematográfica se evidencia em espaços que dão a impressão de ter sido editados, roteirizados e acompanhados de evidências, embora evitem ao máximo fazer qualquer narrativa.
Em alguns pontos o edifício lembra o monolítico museu Whitney, construído por Marcel Breuer em Nova York, em outros, a fragmentação angular do "Gabinete do Dr. Caligari", ou até mesmo sua antítese arquitetônica, a belíssima Filarmônica de Berlim de Hans Scharoun.
A sala de concertos, propriamente dita, parece funcionar bem. Koolhaas introduziu uma série de rupturas e viradas que subvertem e entretêm a todo nível. Entre elas estão as imensas janelas de painéis de vidro ondulado. Algumas dão vista para a cidade, outras, para espaços e bares subsidiários, de modo que a vista da sala de concertos se mantém dominante em todas as partes da estrutura. As paredes de madeira são decoradas com a representação ampliada da granulação de madeira, em folheado dourado.
Koolhaas admite que sua inspiração para a forma foi uma casa que ele estava criando para uma família disfuncional, onde o pai queria que cada membro pudesse isolar-se dentro da estrutura. Ele também queria um espaço excessivo de closet, e foi esse espaço que, na transição, se tornou a área pública e de transição da Casa.
A Casa de Música é um trabalho de pós-pós-modernismo, o reconhecimento do "junk space" pelo qual Koolhaas tem tanto apreço -as áreas que sobram da vida moderna, desde as áreas desertas e cheias de lixo que cercam os shopping centers até as áreas de expansão suburbana-, a natureza voluntariosa da forma e o entremear do espaço teatral ou até cinematográfico, cuja finalidade é em primeiro lugar emocionar.
Ela depende do ambiente que a cerca e reage a ela. Em se tratando de um arquiteto que certa vez respondeu: "Contexto? Dane-se o contexto!", esta é uma obra que condiz com a sofisticada arquitetura contemporânea de Portugal -e possivelmente do mundo-, que reconhece o uso belo do concreto feito por seus melhores arquitetos, que responde à grandiosa escala cívica do circo sobre o qual se ergue e que permite vistas propositais sobre os prédios belos, mas mundanos que o cercam, com isso iluminando a origem de seus terraços e azulejos, sua ampla ausência de cor e as manchas decorativas que o adornam.
A nova sala de música do Porto é avassaladora, mas nem sempre é convincente. Havia um fluxo constante de visitantes percorrendo o prédio para admirá-lo -trata-se de um edifício público, um misto do aberto e do inacessível, do generoso e do labiríntico.
O arquiteto mais moderno do mundo acaba de construir mais uma obra estarrecedora: um monstro feio, inteligente, espirituoso e brilhante, mas que não possui alma nem contexto.
_____
Tradução Clara Allain


De: TAF - "No início da semana" 

- Túnel de Ceuta discutido em reunião de executivo
- Mítico Circuito da Boavista percorre Portugal e Espanha
- Antiga Esmaltagem Mário Navega, na Rua do Freixo, é um antro sem solução à vista
- Reabilitação da Baixa até pode demorar mais de 10 anos - importante é que comece
- Multas até 300 euros para os arrumadores
- O guia PortoIn d'O Comércio do Porto

2005/05/01

De: TAF - "O CMIN e o Maria Pia" 

- Fim do Centro Materno-Infantil é hipótese "perfeitamente viável"

"Também há a hipótese de não construir nada, o que é perfeitamente viável, desde que os departamentos de saúde materno-infantil dos hospitais de Gaia, S. João e Santo António sejam readaptados"; "Utilizando o que existe, mas melhorado, era muito mais barato" - aparentemente faz todo o sentido.

"O grande problema neste momento é resolver a questão do Hospital Maria Pia, que tem que ser encerrado"


Vendo o aspecto do edifício, especialmente a parte das traseiras, não é de admirar. Aliás, valia a pena resolver de uma vez por todas esta aberração arquitectónica...


This page is powered by Blogger. Isn't yours?